Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Voos da Lufthansa cancelados

  • 333

D.R.

Os voos desta quarta-feira entre Portugal e Alemanha da companhia alemã foram cancelados

Dezasseis voos da companhia aérea Lufthansa previstos para hoje foram cancelados entre Portugal e a Alemanha devido à greve de pilotos que teve início na terça-feira, segundo com informação disponível na página da Internet da ANA -- Aeroportos.

Segundo a ANA, foram cancelados quatro voos com partida de Lisboa e com destino a Frankfurt e Munique e cinco voos provenientes daquelas duas cidades alemãs para a capital portuguesa.

A paralisação levou também ao cancelamento de três voos de Munique e Frankfurt com destino ao aeroporto Sá Carneiro, no Porto.

De acordo com a ANA, foram também cancelados dois voos com partida do Porto e com destino a Frankfurt.

No que diz respeito ao Algarve, foram cancelados dois voos: um proveniente de Frankfurt com destino a Faro e outro com partida de Faro para Frankfurt.

Os pilotos da companhia alemã estenderam entretanto a greve aos percursos de média e curta distância, o que vai obrigar a um cancelamento de cerca de mil voos.

A greve dos pilotos da Lufthansa, que teve início na terça-feira, provocou o cancelamento de 84 voos de longo curso no primeiro, informou fonte da transportadora.

Contudo, os representantes do sindicato alemão Vereininung Cockpit, citados pela Efe, já tinham avançado que a greve poderia afetar hoje também os voos de curto e médio curso e não afastaram a possibilidade de haver semanalmente novas greves no âmbito do atual conflito laboral com a companhia aérea.

Assim, a companhia alemã organizou um plano de emergência para encaminhar cerca de 140.000 passageiros noutros voos.

Os voos das companhias Germanwings, SWISS, Austrian Airlines e Brussels Airlines, filiadas da Luthansa, não serão afetadas pela greve.

A greve é a 13.ª em 18 meses e teve início pelas 6h (5h em Lisboa) de terça-feira e terminará pelas 23h59 locais (22h59 em Lisboa) desta quarta-feira.

No centro do conflito estão os planos da companhia para mudar as regras de pré-reforma de 5.400 pilotos, bem como a futura estrutura da transportadora, na qual o sindicato teme uma deslocalização sistemática de postos de trabalho.