Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Mil refugiados atravessaram a fronteira austro-húngara na última noite

  • 333

GEORG HOCHMUTH/ Getty Images

No total, chegaram a estar mais de três mil refugiados nas últimas horas na zona fronteiriça de Nickelsdorf. Cerca de 1.500 foram transportados em autocarros, durante a madrugada, até diferentes centros de alojamento

Cerca de mil refugiados do Médio Oriente atravessaram na noite de sábado para domingo a pé a fronteira austro-húngara, depois de aí terem chegado de comboio a partir de diferentes pontos da Hungria, informou a polícia austríaca.

No total, chegou a haver mais de 3.000 refugiados nas últimas horas na zona fronteiriça de Nickelsdorf.

Cerca de 1.500 foram transportados em autocarros, durante a madrugada, até diferentes centros de alojamento em Viena, e noutras regiões do país, para que este domingo possam seguir caminho em direção à Alemanha, se assim o desejarem.

Centenas de refugiados tinham viajado em comboios regionais húngaros desde Budapest até Hegeyshalom, uma localidade perto da fronteira, de onde saíram a pé para superar os últimos dez quilómetros até Nickelsdorf.

"Neste momento há cerca de 1.800 pessoas nos arredores de Nickelsdorf", explicou o subdiretor da polícia regional do estado federado de Burgenland, Christian Stella, à agência de notícias APA pelas 05hlocais (mesma hora em Lisboa).

Com estas pessoas atingem-se os 10.000 refugiados que a Áustria antecipou no sábado que iria receber ao longo do dia.

A polícia austríaca disse não saber quantas pessoas poderão chegar hoje.

Perante a escalada da crise migratória e com uma marcha de cerca de 2.000 refugiados por uma autoestrada que une Budapeste a Viena, os governos da Alemanha e Áustria acederam a aceitar milhares de novos imigrantes procedentes da Hungria.

Para isso, as autoridades húngaras transportaram na madrugada de sábado as pessoas numa centena de autocarros até à fronteira com a Áustria.

Este ano a Hungria registou já a entrada de cerca de 160.000 refugiados, na sua maioria de países em conflito como a Síria, Afeganistão ou Iraque, através da sua fronteira com a Sérvia.

A crise migratória tem causado profundas divisões no seio da União Europeia.