Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Europa tem de “deixar de se comover e de começar a mover-se” por migrantes e refugiados

  • 333

Dan Kitwood / Getty Images

“A Europa deve procurar uma estratégia”, apelou ainda este domingo o primeiro-ministro italiano, Mateo Renzi, no mesmo dia em que os ministros do Interior francês, alemão e britânico pediram à União Europeia uma reunião “urgente” e “propostas concretas” para a crise migratória e de refugiados

Os ministros do Interior francês, alemão e britânico, Bernard Cazeneuve, Thomas de Maiziere e Theresa May respetivamente, pediram à “presidência luxemburguesa da União Europeia a realização de um primeiro conselho de Justiça e Negócios Estrangeiros nas próximas semanas para preparar eficazmente as decisões da reunião de 8 de outubro”.

O objetivo é marcar uma reunião “urgente” já nas próximas semanas e avançar com “propostas concretas” para solucionar a maior crise de migrantes e refugiados que atinge a Europa desde a Segunda Guerra Mundial, segundo pode ler-se num comunicado divulgado este domingo, citado pela Lusa.

Também hoje Mateo Renzi, o primeiro-ministro italiano, afirmou que a União Europeia tem de “deixar de comover-se e começar a mover-se” para encontrar uma solução para esta questão. Nas últimas semanas, milhares de refugiados, provenientes maioritariamente da Síria, Iraque e Afeganistão, cruzaram os países dos Balcãs numa tentativa de chegar à Europa Ocidental.

Mas a travessia destes refugiados e migrantes não é nova. Renzo criticou ainda, em entrevista ao jornal “Corriere Della sera”, o facto de “as primeiras medidas” apenas terem surgido depois da tragédia no Canal da Sicília, com a morte de milhares de migrantes e refugiados num naufrágio no Mediterrâneo. Só este ano, mais de 2300 pessoas morreram ao tentar chegar à Europa por essa via, de acordo com a Organização Internacional para as Migrações.

O primeiro-ministro italiano alertou ainda para o facto de este ser um problema internacional, não apenas de Itália ou da Grécia, e voltou a reforçar que “a Europa deve procurar uma estratégia”.