Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Tiroteio dentro de TGV: três feridos, militares à civil evitaram tragédia maior

  • 333

O momento em que o homem imobilizado pelos militares à civil é detido pelas autoridades francesas

CHRISTINA CATHLEEN COONS

Ataque aconteceu esta sexta-feira durante uma viagem entre Amesterdão e Paris. Não sabe a identidade do homem detido em Arras. Os media franceses dizem que tem 26 anos, origem marroquina, e estava referenciado nos serviços secretos

Raquel Pinto

Raquel Pinto

Jornalista

Um homem armado feriu esta sexta-feira pelo menos três pessoas num comboio de alta velocidade da rede Thalys, que transportava 554 passageiros e fazia a ligação entre Amesterdão a Paris, noticiam os media franceses.

O atacante tinha na sua posse uma metralhadora kalashnikov e acabaria por ser neutralizado por passageiros. Neste caso, dois militares norte-americanos vestidos à civil, por estarem de ´licença, que seguiam a bordo do comboio.

Há dois feridos em estado grave, um deles foi ferido por arma de fogo e o outro esfaqueado, disse o porta-voz do Ministério do Interior, Pierre-Henry Brandet, à BFM TV. Vários orgãos de comunicação falam num cidadão britânico e num norte-americano. O ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, que se encontra no local disse que "entre os dois feridos figura um dos norte-americanos que ajudou a neutralizar o homem armado", destaca o "Le Monde".

"Com o sangue frio de dois passageiros norte-americanos evitou-se um drama", agradeceu o governante.

Um ator francês, Jean-Hugues Anglade, sofreu apenas ferimentos ligeiros na mão ao quebrar a janela para acionar o sinal de alarme, adianta o diário regional “La Voix du Nord”. E quatro pessoas em estado de choque receberam apoio psicológico.

O comboio seria desviado para estação de Arras, no norte de França, a gare evacuada e o suspeito detido por polícias da brigada criminal, encontrando-se já sob custódia das autoridades francesas para interrogatório. Os restantes passageiros foram levados para um ginásio na vila de Arras para serem sujeitos a controlo de identidades.

O presumível autor do tiroteio tem 26 anos e origem marroquina e já estaria referenciado. O ministro do interior pede cautela quanto à identidade do suspeito. Além da kalashnikov, teria na sua posse uma pistola automática e nove carregadores e uma arma branca.

Para já, desconhecem-se as motivações deste ato, mas está a ser privilegiada a pista de terrorismo, adianta o jornal “La Voix du Nord”. Segundo uma fonte policial citada pela AFP, se a sua identidade estiver confirmada, o nome do suspeito consta de uma lista de informação que visa pessoas com vínculos ao terrorismo.

O tiroteio ocorreu pouco depois das 18h (menos uma hora em Lisboa). O tráfego na estação de Arras está interrompido desde as 20h30 com a chegada de uma célula antiterrorista, que isolou a área. A investigação deste caso fica a cargo da secção de terrorismo da Procuradoria de Paris justificada em face das "armas utilizadas, do local dos factos e o contexto".

Sob anonimato, um alto funcionário europeu de contraterrorismo disse à CNN que tudo leva a crer que seria um atentado islamita, uma vez que este homem era alvo do radar das agências europeias pelas suas visões radicais jiadistas. Outra fonte, refere o canal norte-americano, adianta tratar-se de uma figura conhecida dos serviços secretos franceses.

Notícia atualizada 23h43

PASCAL ROSSIGNOL / Reuters