Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Indonésia. Oito meses de luto e choro em acidentes aéreos

  • 333

Perderam a vida 155 indonésios na queda do avião da AirAsia, a 28 de dezembro de 2014

MANAN VATSYAYANA/ AFP/ Getty Images

A passagem de ano foi trágica para as famílias dos 155 indonésios que morreram na queda do avião da Air Asia. A 30 de junho, a queda de um avião militar fez mais de 140 mortos. Este domingo, autoridades já confirmaram a queda de um avião com 54 pessoas

O ano de 2015 começou mal para centenas de cidadãos indonésios: o voo QZ8501 da companhia low-cost AirAsia sedeada na Malásia, desapareceu na madrugada do último domingo do ano [28 de dezembro], a ocidente da ilha do Bornéu. A bordo do avião estavam 155 passageiros e sete tripulantes.

A lista de passageiros permitiu revelar a nacionalidade dessas 162 pessoas: 155 indonésios, três sul-coreanos, um britânico, um francês, um malaio, um singapurense e um francês que integrava a tripulação.

O avião saiu de Jacarta, capital da indonésia, com destino a Singapura. Eram muitos os indonésios que iam passar o reveillon à capital financeira da Ásia. Às 7h24 de Singapura (0h24 em Portugal), uma hora antes do previsto para aterrar, o avião perdeu o contacto com a torre de controlo em Jacarta. O empresário Tony Fernandes, proprietário da AirAsia, tem ascendência portuguesa.

Seis meses depois, na terça-feira 30 de junho,um Hercules C-130 do exército da Indonésia despenhou-se sobre uma zona residencial de Medan, na ilha de Sumatra, poucos minutos depois de ter levantado voo. Não se sabe ao certo quantas pessoas estariam a bordo. Mas sabe-se que o avião pariu do aeroporto Halim Perdanakusuma, em Jakarta, com 110 passageiros e 12 tripulantes a bordo; efetuou três escalas [Pekanbaru, Dumai e Medan], antes de se ter despenhado numa zona residencial. Algumas das vítimas foram atingidas em terra pelo aparelho.

O ministro dos Transportes de Jacarta já confirmou a queda do ATR 42 da Trigana Air que desapareceu na madrugada deste domingo. Não se sabe se há sobreviventes, mas tudo indica que os indonésios vão voltar a chorar.

Artigo atualizado às 15h40