Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Cemitério Mediterrâneo. Mais 40 mortos na costa da Líbia

  • 333

Só este ano mais de 2300 pessoas morreram ao tentar chegar à Europa pela travessia do Mediterrâneo

MAURICIO ESSE/ AFP/ Getty Images

A Marinha italiana encontrou um barco à deriva, que estava “sobrecarregado e começou a afundar”, a cerca de 21 milhas daquele país do norte de África. A bordo estavam 300 pessoas

Pelo menos 40 migrantes que estavam a bordo de um navio no Mediterrâneo foram este sábado encontrados mortos, anunciou a Marinha italiana, citada pela agência France-Presse.

"Operação de socorro em curso num navio [...]. Inúmeros migrantes em segurança. Pelo menos 40 mortos", indicou a Marinha na sua conta da rede social Twitter.

De acordo com um jornalista do canal de televisão RAINews, que se encontrava no centro de coordenação de operações navais, a operação de resgate começou logo após 07h00 (06h00 em Lisboa).

Um helicóptero da Marinha avistou um barco em apuros cerca de 21 milhas ao largo da costa da Líbia, ao sul da ilha italiana de Lampedusa.
O barco, que transportava cerca de 300 imigrantes, estava "sobrecarregado e começou a afundar", disse o jornalista da RAINews.

O navio da Marinha, em seguida, aproximou-se e começou as operações de socorro, tendo descoberto numa segunda fase, que havia 40 corpos no porão.

De acordo com vários testemunhos de sobreviventes de travessias muito perigosas entre a Líbia e a Itália, os contrabandistas usam o espaço do porão para colocar os migrantes que pagam o mínimo pela viagem.

Presos nesse espaço confinado, os migrantes correm o risco de morrer asfixiados ou sufocados pelos vapores de combustível, ou ainda afogados se o barco se afundar porque não existe tempo para sair.

Muitas vezes, os contrabandistas ou os passageiros do convés fazem uso de violência durante a travessia para evitar que os migrantes no porão se movam pouco para não virar os barcos sobrecarregados.