Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

EUA: polícia que matou jovem desarmado foi despedido

  • 333

Chefe da polícia de Arlington, no estado do Texas, alega que a atuação do agente foi despropositada e teve “resultados catastróficos”

Brad Miller, o agente da polícia de Arlington que matou na sexta-feira um jovem desarmado durante um assalto a um concessionário, foi expulso da corporação. O anúncio foi feito esta quarta-feira pelo chefe da polícia local, Will Johnson, que alegou que as decisões do agente desrespeitaram o manual de procedimentos interno e tiveram “resultados catastróficos”.

“Não houve critério e não foi uma boa estratégia. É evidente, a partir dos factos conhecidos, que a atuação do Sr. Taylor não foi compatível com a exigência da polícia”, afirmou Will Johnson, citado pela AP.

O chefe da polícia de Arlington condenou assim o comportamento de Brad Miller, que resolveu atuar sozinho sem o apoio de mais colegas, nem a delimitação prévia de um perímetro de segurança, tendo atingido a tiro Christopher Taylor, um jogador de futebol americano, de 19 anos, que invadiu um stand de automóveis.

O agente, de 49 anos, encontrava-se ainda em período experimental e sob a supervisão de superiores, estando a trabalhar há menos de um ano na esquadra da polícia de Arlington. Por essa razão, não poderá recorrer da decisão da entidade patronal.

Após a conclusão de um inquérito interno, o caso seguirá para o Tribunal, podendo Brad Miller ser julgado pelo crime de homicídio.

Este caso surge numa altura em que os EUA se debatem com a questão da discriminação racial e da violência policial, depois do assassínio de Michael Brown, outro jovem negro desarmado, há um ano.

“Tão importante como a investigação em si é perceber se estes factos são um caso isolado ou se sucedem a outros episódios numa altura em que o país enfrenta problemas relacionados com a injustiça social, desigualdades, racismo e más práticas policiais”, defendeu o chefe da polícia de Arlington.

Desde o início do ano, pelo menos 24 cidadãos negros desarmados foram mortos pelas autoridades, nos EUA.