Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Coreia do norte altera hora oficial como forma de romper com o imperialismo

  • 333

RODONG SINMUN

A Coreia do Norte anunciou que vai alterar a sua hora oficial, atrasando o seu 'relógio' 30 minutos em relação à hora atual. Este ato visa erradicar o legado deixado durante a dominação japonesa e celebrar o septuagésimo aniversário de libertação da Coreia do seu domínio

A Coreia do Norte tem atualmente a mesma hora que a Coreia do Sul e o Japão, estando nove horas à frente da registada na zona do meridiano de Greenwich (hora dos Açores, menos uma do que em Lisboa). No entanto, a partir de 15 de agosto, o país atrasará o seu relógio em 30 minutos, voltando a usar a hora antiga (hora Pyongyang) - utilizada antes da Península Coreana ter sido dominada pelos japoneses, entre 1910 e 1945 (domínio terminado com o fim da II Guerra Mundial.

A KNCA, agência de notícias do estado norte-coreano, justificou numa nota divulgada esta sexta-feira que a reintrodução da hora Pyongynag (capital do país) é uma forma de erradicar o domínio colonial japonês e que a melhor data para o fazer coincide com o 70.º aniversário de libertação da dominação japonesa na Coreia: “Os imperialistas cometeram crimes imperdoáveis como privar a Coreia de usar a sua hora standard” durante o período da ocupação, hora que depois se manteve.

Jeong Joon-Hee, o porta-voz do Ministério da Unificação, considera negativo este novo fuso horário, afirmando que pode prejudicar o esforço que tem sido feito para diminuir as diferenças entre o regime de Pyongyang e a Coreia do Sul. O país vizinho adopta a mesma hora que o Japão, por considerar ser mais prático e ir ao encontro das práticas internacionais.

Sabe-se que muitos coreanos, tanto do Sul como do Norte, ainda guardam fortes ressentimentos para com o Japão: centenas de milhares de cidadãos foram obrigados a lutar como soldados do pelotão da frente, a trabalhar em condições precárias ou ainda na prostituição, em bordéis usados pelos militares japoneses durante a guerra.