Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

A polémica dos troféus de safari prossegue, agora com Sabrina

  • 333

Depois das imagens de Walter James Palmer, o dentista do Minnesota, com o leão de 13 anos que matou no Zimbabué terem ateado a polémica nas redes sociais, agora surge Sabrina Corgatelli, uma contabilista de Idaho, que recorre a citações bíblicas para justificar a caça a animais de grande porte - como as girafas

“As girafas são animais muito perigosos. Elas podem ferir-nos gravemente, muito rapidamente”, afirmou a caçadora Sabrina Corgatelli em declarações ao canal televisivo NBC, a propósito do mar de críticas que gerou por ter partilhado nas redes sociais imagens suas a pousar com os corpos de uma girafa, um gnu (antílope africano) e um javali.

“Dia 2 apanhei esta espantosa girafa velha. Que animal espantoso!!! Não podia estar mais feliz”, escreveu a propósito de um dos animais que caçou na África do Sul.

Depois do caso de Walter James Palmer, o dentista do Minnesota, que surgiu no Facebook a exibir o corpo do leão de 13 anos que abatera no Zimbabué, a polémica da caça aos animais de grande porte, abatidos em safaris e exibidos como troféus, prossegue agora com Corgatelli, uma contabilista da Universidade Estatal de Idaho.

Corgatelli diz que quando publicou as suas imagens no Facebook e Instagram ainda desconhecia o caso de Palmer. Mas mesmo após ter sido apanhada na onda de indignação, persiste na defesa da sua atitude e na de outros caçadores. “Toda a gente pensa que nós somos assassinos de coração empedernido, mas isso não é assim. (…) Há uma conexão com o animal e apenas pelo facto de os caçarmos não significa que não os respeitemos”, afirmou para a NBC.

Nos seus posts nas redes sociais recorre mesmo a citações bíblicas para justificar a caça: “Génesis 9:3 diz ‘tudo o que se move e possui a vida vos servirá de alimento, tudo isso Eu vos dou, como vos dei a verdura das plantas’. (...) Génesis 27:3 diz ‘agora, portanto, toma tuas armas, tua aljava e teu arco, sai ao campo e apanha-me uma caça’”.

A universidade onde trabalha já se demarcou do polémica, declarando não ser um assunto do âmbito da instituição.