Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Outro norte-americano acusado de matar ilegalmente um leão no Zimbabué

  • 333

Os dois leões foram mortos ilegalmente nas proximidades do Parque Nacional Hwange, no Zimbabué

PHILIMON BULAWAYO/ REUTERS

Desta vez o dedo acusador é apontado a Jan Casimir Seski. Caçada ilegal terá acontecido em abril, também nas imediações do Parque Nacional Hwange

As autoridades do Zimbabué acusam outro médico norte-americano de ter caçado ilegalmente um leão, matando-o com arco e flecha. O caso é denunciado ainda debaixa da indignação nacional sentida pela morte de Cecil - o leão que era uma espécie de símbolo nacional -, que continua a ocupar espaço considerável nas páginas dos jornais.

Desta vez, o dedo acusador é apontado a um ginecologista oncológico da Pennsylvania, Jan Casimir Seski. A caçada terá acontecido em abril, em território proibido também nos arredores do Parque Nacional Hwange, precisou o responsável da Autoridade dos Parques e Vida Selvagem do Zimbábue.

Seski, que em várias imagens publicadas nas redes sociais aparece fotografado ao lado dos cadáveres de animais de grande porte, como elefantes, antílopes e até um hipopótamo, é também um nome muito citado nos sites de empresas organizadoras de safaris, identificado como um caçador conceituado e frequente.

O caso agora denunciado levou já à detenção de Headman Sibanda, acusado de organizar a caçada ilegal em que morreu o segundo felino. O homem é o proprietário da propriedade onde o leão foi morto, sendo também o dono da Nyala, uma empresa promotora de safaris.

Embora a agência Associated Press tenha tentado contactar o médico, para obter a sua reação, até agora desconhece-se qualquer comentário do médico sobre o assunto.

O Zimbabué pediu entretanto a a extradição do dentista James Palmer, acusado da morte de Cecil, para o levar a julgamento.

No último sábado, o país resolveu suspender a caça de leões, leopardos e elefantes nas proximidades do Parque Nacional de Hwange. De acordo com as novas regras impostas, só será possível caçar com uma autorização especial da autoridade responsável pelos parques nacionais. Além disso, foi suspensa a caça com arco e flecha, que também só poderá ocorrer mediante uma autorização expressa.