Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Ex-chefe da Casa Civil de Lula detido no âmbito do “Pixuleco”. E o irmão também

  • 333

José Dirceu, foi detido esta segunda-feira pela Polícia Federal no âmbito da operação Lava Jato, o maior escândalo de corrupção que o Brasil já viu

José Dirceu, que chefiou a Casa Civil do presidente Lula entre janeiro de 2003 e junho de 2005, foi detido no âmbito do escândalo “Pixuleco”, uma nova fase da operação Lava Jato. A Polícia Federal também deteve o irmão e sócio de Dirceu e um ex-assessor do PT

Há dez anos que o nome de José Dirceu envolve o Partido dos Trabalhadores (PT) em escândalos de corrupção graves: primeiro foi o caso Mensalão, em 2005, e agora, em 2015, a operação Lava Jato.

De acordo com o jornal “Estado de São Paulo”, este “condenado no Mensalão” está “sob investigação por suposto recebimento de propinas [luvas] disfarçadas na forma de consultorias, por meio de sua empresa JD assessoria, já desativada”.

A Polícia Federal também deteve o irmão e sócio de Dirceu na JD Consultora, Luís Eduardo de Oliveira e Silva, e o ex-assessor do PT, Roberto Marques.

Os detidos deverão ser levados para a superintendência da Polícia Federal em Curitiba, onde “permanecerão à disposição da 13ª Vara da Justiça Federal”, escreve a “Folha de São Paulo”.

A “Folha de São Paulo” adianta ainda que esta é a “17ª fase da Lava Jato, denominada “Pixuleco”, e ocorre em Brasília e nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro”. “Pixuleco” era o termo utilizado pelo ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, para designar as luvas recebidas na sequência dos contratos com a Petrobrás

A Lava Jato começou em março de 2014 e é já considerada a maior investigação sobre corrupção e lavagem de dinheiro que foi feita no Brasil. Em apenas 14 meses, deu origem a 146 anos, 11 meses e 25 dias de condenações.

No seu portal, o Ministério Público Federal do Brasil explica que a operação investiga um esquema em que as grandes empreiteiras organizadas em cartel pagavam subornos aos diretores e agentes da Petrobrás.

Os subornos chegavam a 5% do montante total dos contratos e estão a atingir o PT, partido que suporta a presidente Dilma.

  • Sete instantes que explicam a Lava Jato, a investigação brasileira que chegou a Portugal

    Um esquema multimilionário de desvio e lavagem de dinheiro no Brasil - que terá ramificações em Portugal - envolve quatro tipos de entidades - empreiteiras, funcionários da Petrobras, operadores financeiros e agentes políticos. A investigação decorre desde março de 2014 e até ao mês de maio deste ano já tinha resultado em 146 anos, 11 meses e 25 dias de condenações. As autoridades brasileiras já pediram a colaboração da Justiça portuguesa