Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Sexta-feira longa em Atenas

  • 333

Euclid Tsakalotos e Alexis Tsipras têm sta sexta-feira uma jornada longa pela frente

FOTO ALKIS KONSTANTINIDIS/REUTERS

É dado um novo passo nas negociações esta sexta-feira, com a reunião dos ministros gregos das Finanças e da Economia com os chefes da missão da troika. Alexis Tsipras vai dar explicações no Parlamento sobre o plano B, que foi revelado esta semana

Será um dia longo em Atenas. Esta sexta-feira, os representantes ao mais alto nível do executivo grego e da troika vão reunir-se pela primeira vez para discutirem o acordo que dará lugar ao terceiro resgate.

O ministro das Finanças Euclid Tsakalotos e o ministro da Economia Georges Stathakis irão encontrar-se com os chefes da missão dos credores: Declan Costello da Comissão Europeia (CE), Rasmus Ruffer do Banco Central Europeu (BCE), Nicola Giammarioli do Mecanismo Europeu de Estabilidade e Delia Velculescu do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Apesar das divisões no seio do Syriza, os governantes gregos deverão garantir o compromisso do executivo em levar adiante as reformas acordadas na cimeira da zona euro, no passado dia 12 de julho.

Ainda esta quarta-feira, Alexis Tsipras afirmou que o governo grego iria implementar todos os “compromissos assumidos”, ainda que não concorde com eles. “Nada além disso”, garantiu em entrevista à rádio Sto Kokkino.

Desta forma, Tsipras negou assim o apelo feito pela porta-voz da Comissão Europeia, que disse esta semana que a Grécia deveria avançar rapidamente com mais reformas para permitir o desembolso da ajuda financeira.

Embora, as reuniões entre os técnicos de Atenas e da troika tivessem decorrido favoravelmente e os trabalhos prossigam agora entre os altos representantes dos dois lados, será pouco provável que o FMI participe já com uma contribuição financeira para o terceiro resgate.

Tal como explicou esta quinta-feira um funcionário da instituição liderada por Christine Lagrade, o organismo está cauteloso e exige por isso um compromisso por parte dos credores sobre o alívio da dívida grega e a garantia completa por parte do executivo de que irá cumprir todas as reformas acordadas. “O FMI só participará no resgate quando estas duas condições forem cumpridas”, frisou o responsável.

Tsipras vai dar explicações aos deputados

Esta sexta-feira, o primeiro-ministro grego terá ainda a tarefa de explicar no Parlamento o alegado esquema de contingência revelado no passado domingo pelo “Kathimerini”.

Segundo o jornal grego, Yanis Varoufakis divulgou numa teleconferência com investidores em Londres, no passado dia 16 de julho, que Alexis Tsipras lhe tinha pedido para criar um plano B, um sistema paralelo de pagamentos que possibilitasse o regresso ao dracma, no caso de uma saída do país da zona euro.

O ex-ministro das Finanças assegurou que “o grupo de trabalho trabalhou exclusivamente no âmbito das políticas do governo e as suas recomendações”, mas estas explicações não foram suficientes para os deputados e para os cidadãos gregos em geral. Tsipras deverá assim responder esta manhã a todas as questões dos deputados sobre esta questão.

Devido a esta polémica, a procuradora do Supremo Tribunal helénico, Efterpi Koutzamani, está analisar inclusivamente algumas queixas que incidem sobre Varoufakis.

Atenas e os credores pretendem concluir o acordo sobre o terceiro resgate até ao próximo dia de 20 de agosto, de forma ao Estado grego poder pagar os 3,2 mil milhões aos BCE.

  • Syriza aprova congresso extraordinário em setembro

    Reunião do comité central do Syriza foi marcada por uma dura troca de acusações. Tsipras destacou as “pequenas vitórias” do governo grego, enquanto a ala mais à esquerda acusou o primeiro-ministro helénico de aceitar a “ditadura do euro” e de assumir um comportamento “infantil e surreal”

  • Tsipras perentório: “Não vamos além do acordo”

    O primeiro-ministro grego garante que o seu governo está bem ciente do acordo assinado a 12 de julho e sublinha que cabe a todos os membros do Syriza respeitá-lo: “Os deputados que não concordam com o resgate devem abandonar o cargo”