Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Dez anos depois, judeu ortodoxo volta ao local do crime e esfaqueia mais seis pessoas em desfile gay

  • 333

Momento em que o judeu ultraortodoxo Yishai Shlissel atacava com uma faca os participantes numa parada gay em Jerusalém

Stringer / Reuters

O individuo fora libertado há três semanas, após ter cumprido dez anos de prisão por um crime semelhante. Entre as seis pessoas que esfaqueou no desfile do Orgulho Gay, em Jerusalém, duas ficaram feridas com gravidade

Um judeu ortodoxo esfaqueou seis pessoas que participavam esta quinta-feira em Jerusalém no desfile do Orgulho Gay, duas das quais ficaram feridas com gravidade.

O individuo foi detido pela polícia que o identificou como Yishai Shlissel, um judeu ortodoxo que fora libertado há apenas três semanas após ter cumprido 10 anos de prisão por ter esfaqueado três pessoas em idêntico desfile na capital israelita, em 2005.

Testemunhas indicaram que o homem surgiu entre a multidão e começou aos gritos e a esfaquear pessoas, gerando o pânico, até que os agentes da polícia o conseguiram deter. Os serviços de emergência indicaram que os feridos têm idades que rondam os 30 anos

O ataque deu lugar a declarações de repúdio por parte do primeiro-ministro e do Presidente israelita. “No Estado de Israel, a liberdade de escolha individual é um dos valores mais básicos”, afirmou Benjamin Natanyahu, que qualificou o ataque como um “ignóbil crime de ódio”. “Nós temos de nos assegurar que em Israel cada homem e cada mulher vivem confiantes no modo de vida que eles escolheram”, acrescentou o primeiro-ministro.

“Nós juntámo-nos hoje para um evento festivo, mas a alegria foi estragada quando um terrível crime de ódio ocorreu aqui em Jerusalém”, afirmou por seu turno o Presidente Reuven Rivlin. “Pessoas que se encontravam a celebrar a sua liberdade e a expressar a sua identidade foram esfaqueadas de modo vil. Nós não nos podemos equivocar, a falta de tolerância irá conduzir-nos ao desastre. Não podemos permitir tais crimes e temos de condenar aqueles que os cometem e apoiam”, disse ainda Rivlin.