Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

“Bárbaro ato de terrorismo.” Criança palestiniana morre num alegado ataque de colonos

Palestiniano na casa do pequeno Ali Saad Dawabsheh, em Duma, aldeia no sul de Nablus, Cisjordânia

ALAA BADARNEH / EPA

Ali Saad tinha apenas 18 meses e morreu depois de a sua casa ter sido incendiada por alegados extremistas judeus. “Vingança”, lia-se num graffiti deixado no local pelos atacantes. Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro israelita, diz-se chocado

Um bebé palestiniano de 18 meses morreu queimado na madrugada desta sexta-feira, num alegado ataque de fogo posto por extremistas judeus, em Duma, aldeia no sul de Nablus, na ocupada Cisjordânia.

Os pais do pequeno Ali Saad Dawabsheh e o seu irmão de quatro anos ficaram feridos. Segundo o hospital Rafidia, para onde foram transportados, cerca de 75% dos seus corpos sofreram queimaduras.

Os culpados (quatro segundo testemunhas locais) incendiaram uma outra casa à entrada da aldeia e não abandonaram o local sem antes deixarem nas paredes três marcas: “vingança”, “longa vida a Messias” e “price tag” (nome pelo qual este tipo de ataques ficaram conhecidos).

O ato aparenta ser uma vingança pela recente demolição de dois edifícios no colonato de Beit El, perto de Duma.

Palestina culpabiliza Israel

O exército de Israel já emitiu um comunicado sobre este incidente, onde diz ter reforçado as buscas para encontrar os culpados. “Este ataque contra civis não é nada mais do que um bárbaro ato de terrorismo”, afirmou tenente-coronel Peter Lerner.

Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro israelita, também já se pronunciou: “Estou chocado com este repreensível e horrendo ato. É um ato de terrorismo em todos os aspetos. O Estado de Israel tem uma posição forte contra o terrorismo, independentemente de quem são os seus autores”.

Já Nabil Abu Rdeineh, porta-voz do Presidente palestiniano Mahmoud Abbas, não parece ser da mesma opinião. Diz que o Governo israelita é “totalmente responsável” pelo crime, visto que continua a apoiar as “atividades ilegais dos colonos”. Rdeineh acusa ainda a comunidade internacional de fechar os olhos aos crimes contra os palestinianos.

Segundo a ONU, pelo menos 120 ataques de colonos contra os palestinianos foram registados desde o início de 2015. Um outro relatório, o da Yesh Din, uma organização israelita de direitos humanos, mostrou que mais de 92,6% das queixas dos palestinianos contra a polícia israelita foram arquivados.