Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

ONU vota criação de tribunal para julgar caso do voo MH17

  • 333

Destroços do avião da Malaysian Airlines, que se despenhou na Ucrânia, em julho de 2014

DIMITAR DILKOFF/GETTY IMAGES

Avião da Malaysian Airlines despenhou-se na Ucrânia há um ano. Separatistas pró-russos são os principais suspeitos. Quase 300 pessoas morreram

O Conselho de Segurança das Nações Unidas vota esta quarta-feira uma proposta para a criação de um tribunal internacional para julgar os suspeitos de derrubar o voo MH17, avião da Malaysia Airlines que se despenhou na Ucrânia em julho de 2014.

A queda do aparelho, que custou a vida a 298 pessoas, é atribuída aos separatistas pró-russos, mas Moscovo insiste que as causas para o despenhamento não são claras, envolvendo as autoridades ucranianas nas suspeitas.

A iniciativa das Nações Unidas é apoiada pela Malásia, Austrália, Bélgica, Holanda e Ucrânia, mas conta com a oposição já assumida da Rússia, que acusa o projeto de “perigoso” e “prematuro”.

As autoridades russas criticam a “natureza tendenciosa” da investigação, pelo que o representante permanente da Rússia na ONU, Vitáli Tchurkin, não acredita na possibilidade de a proposta vir a ser aceite pelo seu país.“Este não é um caso que diga respeito ao Conselho de Segurança, porque não está em causa uma ameaça à paz e à segurança internacional”, afirmou, citado pela “Gazeta Russa”.

  • Quem abateu o MH17 da Malaysia Airlines?

    Um ano depois da tragédia que vitimou 298 pessoas nos céus da Ucrânia, os familiares das vítimas continuam à espera que sejam encontrados os responsáveis pela queda do voo MH17, que fazia a ligação entre Amesterdão e Kuala Lumpur. O dia fica marcado pelas cerimónias de homenagem às vítimas na Ucrânia, Holanda e Austrália

  • Rebeldes pró-Rússia responsabilizados pelo abate do MH17 na Ucrânia

    Dois dias antes de se completar um ano sobre a queda do avião do voo MH17 da Malaysia Airlines no leste da Ucrânia, que causou a morte de 298 pessoas, a CNN divulga em primeira mão dados sobre a investigação em curso. Entretanto, a Rússia considera a proposta de um julgamento internacional “inoportuna” e “contraproducente