Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Trump soma e segue nas sondagens das primárias republicanas

  • 333

FOTO REUTERS/Jim Young

Apesar das suas declarações controversas, o magnata ganhou no último mês o apoio de mais republicanos

Duas sondagens, duas vantagens. Donald Trump surge na liderança da corrida à nomeação republicana para as eleições presidenciais dos EUA em 2016, de acordo com dois inquéritos divulgados no domingo. O magnata norte-americano conta com o apoio de 18% dos eleitores republicanos, três pontos percentuais acima do pré-candidato Jeb Bush, que conta com 15%, segundo uma sondagem da CNN/ORC.

Cerca de 22% dos inquiridos afirmam esperar que Trump seja mesmo o candidato republicano à Casa Branca. “Os resultados não são para mim uma surpresa. As pessoas estão cansadas dos políticos incompetentes em Washington que não conseguem fazer nada”, disse Donald Trump no programa “State of the Union” na CNN.

Noutra sondagem, da NBC News-Marist, o milionário obtém 21% das intenções de voto em New Hampshire, contra 14% de Jeb Bush. Só no estado de Iowa é que Donald Trump surge atrás de Scott Walker, o governador do Wisconsin, com 17% contra 19% das intenções de voto.

Desde que o magnata anunciou a sua pré-candidatura à Casa Branca, foram várias as suas declarações polémicas, como aquelas que incendiaram a comunidade de hispânicos no país, quando apelidou os mexicanos de “criminosos” e “violadores” em meados de junho. “O México não envia para aqui a sua melhor gente. Está a enviar gente com muitos problemas: que trazem drogas, crime, ou são violadores. Admito que alguns sejam boas pessoas, mas falo com guardas fronteiriços e é essa a ideia comum”, afirmou.

Na semana passada, Donald Trump defendeu que o senador republicano John McCain, que foi prisioneiro de guerra durante cinco anos no Vietname, não é um “herói de guerra”. “Ele não é um herói de guerra. Ele só é um herói porque foi capturado e eu gosto é de pessoas que não se deixam apanhar.” O magnata norte-americano prometia entrar na corrida à Casa Branca desde os anos 80 mas só agora, aos 69 anos, é que decidiu avançar com uma pré-candidatura, que conta com o crescente apoio dos eleitores republicanos.