Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Conversações entre troika e Grécia arrancam esta segunda-feira

  • 333

FOTO ALKIS KONSTANTINIDIS/REUTERS

Equipa de técnicos da troika aterra hoje em Atenas, mas há dúvidas se terão acesso a todos os dados do ministério das Finanças grego

Uma equipa de técnicos da troika chega esta segunda-feira a Atenas para iniciar os trabalhos com vista à elaboração de um terceiro resgate do país. “As equipas chegam a Atenas amanhã [segunda-feira] e as reuniões começam logo”, afirmou este domingo um porta-voz da Comissão Europeia, citado pela AFP. Mas os chefes da missão da troika só deverão chegar até quinta-feira à Grécia, segundo fonte do executivo helénico.

Segundo o “Financial Times”, os técnicos da troika têm dúvidas se terão acesso a todos os dados e informações necessárias por parte do Ministério das Finanças grego.

Após muita especulação sobre a data do arranque das conversações entre a delegação constituída pela Comissão Europeia (CE), Banco Central Europeu (BCE), Fundo Monetário Internacional (FMI) e Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE) com os representantes do governo grego, as conversações vão arrancar, finalmente.

A atrasar este processo estiveram questões logísticas e processuais: além da exigência de última hora do FMI, que solicitou à Grécia um pedido formal de ajuda para participar no resgate, foram também as questões de segurança - nomeadamente à escolha do local ideal para realizar os encontros - que levaram ao adiamento dos trabalhos.

Entretanto, o governo grego anunciou esta manhã que a Bolsa de Atenas vai continuar encerrada, sem adiantar uma possível data de reabertura. As negociações da bolsa grega estão interrompidas desde o passado dia 29 de junho, quando foi imposto o controlo de capitais no país.

A agitar o Syriza - um partido que se encontra dividido com a austeridade imposta pelos credores - está a notícia do “Kathimerini” e do “Financial Times” que dá conta de um alegado plano secreto para a Grécia regressar ao dracma, uma iniciativa que será liderada pelo ex-ministro helénico da Energia, Panagiotis Lafazanis, e Yanis Varoufakis, de acordo com os jornais. A oposição já exigiu explicações ao governo.

Uma coisa é certa: Alexis Tsipras quer mais união no Executivo e menos obstáculos para poder agilizar os trabalhos. O governo grego prevê concluir o acordo com os credores até ao próximo dia 20 de agosto, a fim de cumprir os seus compromissos financeiros.