Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Presidente grego e Juncker afastam possibilidade de um 'Grexit'

  • 333

FOTO CHRISTIAN HARTMANN

Prokopis Pavlopoulos garante que a saída da Grécia da zona euro teria consequências “desastrosas”. Mas o líder da Comissão Europeia adverte que é preciso que o país cumpra as reformas acordadas com os credores

O Presidente grego, Prokopis Pavlopoulos, voltou a garantir esta quinta-feira que a saída da Grécia da zona euro não é uma hipótese. “Todas as outras opções - com exceção de continuarmos no euro - seriam claramente desastrosas para a sociedade, para a economia e para o país”, declarou o governante.

Esta sexta-feira, Prokopis Pavlopoulos vai almoçar com os líderes de todos os partidos com assento parlamentar, a propósito do 41.º aniversário do fim da ditadura militar no país. O chefe de Estado helénico deverá depois reunir-se com os secretários-gerais de todos os partidos para discutir a “situação económica e política”.

Também o presidente da Comissão Europeia reitera que o 'Grexit' não está em cima da mesa, caso o país cumpra as reformas acordadas com vista ao início das negociações dos credores para um terceiro resgate.

“Eu sempre descartei a saída da Grécia da zona euro e espero que essa hipótese esteja definitamente fora da mesa. Acredito que se os gregos cumprirem o que prometeram - que é o que estão a fazer - terão pela frente um longo e distinto período de calma”, afirmou Jean-Claude Juncker à rádio ORF, citado pela Reuters.

Uma delegação da troika chega esta sexta-feira a Atenas para iniciar as reuniões com o Executivo grego tendo em vista o terceiro resgate.

O governo helénico já disse esperar que as negociações com os credores estejam concluídas até ao próximo dia 20 de agosto, a fim de poder cumprir com as suas obrigações financeiras.

A discordância entre Berlim e o FMI é um dos aspetos que está a travar o processo: com Angel Merkel a insistir que não aceita o perdão da dívida helénica e a instituição liderada por Christine Lagarde dizer que só aceita participar na ajuda financeira a Atenas caso os outros credores aceitem um alívio da dívida da Grécia.