Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Pela primeira vez, Turquia ataca posições do Estado Islâmico na Síria

FOTO DE ARQUIVO RETIRADA DO SITE DA FORÇA AÉREA TURCA

Em resposta aos confrontos desta quinta-feira na fronteira com a Síria, forças turcas atacaram posições do Daesh. Horas antes, Ancara comprometeu-se a deixar a coligação antiterrorista liderada pelos EUA usar uma das suas bases aéreas. Mas tudo começou realmente na segunda-feira, quando o grupo extremista matou 32 turcos em Suruç

Durante 13 minutos, aviões de combate turcos atacaram posições do autoproclamado Estado Islâmico (Daesh) junto à fronteira com a Síria, onde esta quinta-feira se deram os primeiros confrontos diretos entre os jiadistas e as forças turcas.

Três F-16 saíram da base de Diyarbakir, às 3h12 desta madrugada (1h12 em Lisboa) e atingiram duas bases do Daesh com mísseis guiados, entre as 3h40 e as 3h53, segundo a informação do gabinete do primeiro-ministro turco. A CNN Türk relata que os aviões nunca chegaram a sair do espaço aéreo turco.

A decisão do ataque foi tomada numa reunião de emergência dos líderes turcos, depois dos confrontos registados na fronteira com a Síria, na tarde desta quinta-feira. As Forças Armadas turcas anunciaram que cinco terroristas armados atacaram a zona fronteiriça de Kilis, mataram um oficial e feriram dois soldados. Em resposta, as forças turcas mataram um militante do Daesh e danificaram três veículos.

Horas antes do conflito na fronteira, a Turquia tinha concordado em abrir a sua base aérea de Incirlik à coligação anti-Daesh liderada pelos Estados Unidos - pedido que o Governo de Tayyip Erdoğan, Presidente turco, recusara no passado.

Recentemente, Turquia decidiu reforçar a segurança nas suas fronteiras com a Síria através de balões de vigilância e da construção de um sistema de fronteira mais elaborado (duas vedações e um fosso).

PKK Acusam Ancara de apoiar o Daesh

Os confrontos entre o Daesh e as forças de Ancara são o último sinal do alastrar da guerra civil na Síria, que já dura há cinco anos. Mais de 1,7 milhões de refugiados desta guerra encontram-se na Turquia.

No início desta semana, um homem-bomba fez-se explodir no meio de uma manifestação de estudantes curdos em Suruç, no sul do país, matando 32 pessoas. As autoridades turcas acusam o Daesh.

Já o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) censura o Governo por “fechar os olhos” às atividades do grupo extremista em território turco, acusando mesmo Erdoğan de fornecer armamento para a luta do Daesh contra o regime do Presidente sírio Bashar Al-Assad.

Depois do ataque aos estudantes, o PKK reforçou a sua posição anti-Governo e matou dois polícias turcos, naquilo que chamou uma “operação de vingança”.

Segundo a agência noticiosa turca Anadolu, a polícia turca lançou esta sexta-feira uma incursão para prender membros do Daesh e de outros grupos armados, incluindo do PKK, numa aparente tentativa de acabar com todo o tipo de violência.