Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Nova tragédia na América: homem mata duas pessoas e suicida-se num cinema

  • 333

LEE CELANO/REUTERS

Cerca de uma centena de pessoas assistiam à exibição de um filme cómico na cidade de Lafayette, no sul dos EUA, quando subitamente um homem de 58 anos se levanta e começa a disparar

Com uma arma na mão, um homem matou duas pessoas e feriu outras sete, três das quais com gravidade, suicidando-se em seguida. Tudo aconteceu cerca das 19h30 desta quinta-feira (0h30 de sexta-feira em Lisboa) num cinema de Lafayette, a quarta maior cidade do estado de Louisiana, localizada a cerca de 200 quilómetros de Nova Orleães.

O atirador era um “homem branco solitário” de 58 anos, segundo referiu o sargento Brooks David, da polícia de Louisiana, citado pelo “The New York Times”. Apesar de terem determinado a sua identidade, as autoridades ainda não a divulgaram, referindo que ainda não conseguiram apurar as suas motivações.

O responsável pelo departamento da polícia de Lafayette, Jim Craft, referiu que o homem tinha cadastro mas os seus antecedentes criminais “parecem ser bastante antigos”. Ao que tudo indica, o individuo não conhecia nenhuma das vítimas.

A tragédia ocorreu no Grand Theater, um multiplex com 16 salas de cinema, situado numa das principais avenidas de Lafayette. Cerca de uma centena de pessoas encontrava-se a assistir à comédia “Descarrilada” quando, cerca de 20 minutos depois o início da exibição, subitamente, o individuo levantou-se no meio da escuridão da sala e começou a disparar, refere a agência Reuters, com base no relato de testemunhas.

“Ele não estava a dizer nada. Eu também não ouvi ninguém a gritar” no momento em que começou a disparar, disse Katie Domingue, que se encontrava a assistir ao filme com o namorado, em declarações divulgadas pelo jornal local “Advertiser”.

Cinema encontrava-se cheio de gente

O cinema encontrava-se cheio de gente e seguiu-se um cenário de pânico e caos. Jim Craft referiu que quando a polícia entrou no multiplex ainda se ouviam os tiros, mas quando chegaram junto do atirador este já se encontrava morto. “O atirador está morto. Nós podemos nunca chegar a saber os (seus) motivos”, acrescentou o responsável policial em declarações à Reuters. A idade das pessoas atingidas varia desde a adolescência até aos 60 anos, segundo descreveram as autoridades.

“Eu pensei que se tratava de uma piada”, afirmou ao “The New York Times” Robert Martinez, de 17 anos, que se encontrava noutra sala do multiplex a assistir a um filme, com dois irmãos e a mãe que fazia anos. “As pessoas estavam a gritar”, disse ainda, referindo que viu uma mulher de cerca de 60 anos passar a correr com um ferimento numa perna.

A mãe, Tanya Clark, afirmou que se limitou a pegar na sua filha de cinco anos e fugir, deixando a sua bolsa e o telemóvel para trás. “Naquele momento, não se pensa em nada. É aí que percebemos que a carteira e o telefone não são importantes”, comentou.

Posteriormente, a polícia encontrou um objeto suspeito dentro do carro do atirador, tendo recorrido a um robô para o retirar. Os investigadores efetuaram depois buscas na sua casa.

Tragédia ocorre quase três anos depois das mortes em cinema do Colorado

O governador de Louisiana, Bobby Jindal, que se deslocou até Lafayette após a tragédia, descreve o sucedido como algo “sem sentido”: “Como governador, como pai e como marido, sempre que nós ouvimos sobre estes atos de violência sem sentido, isso enfurece-nos e ao mesmo tempo deixa-nos tristes”.

Como medida de precaução foram reforçadas as medidas de segurança nos cinemas da cidade, que tem cerca de 125 mil habitantes.

Os Estados Unidos têm um longo historial de tragédias provocadas por atos tresloucados de indivíduos isolados, facilitados pelo fácil acesso a armas no país. Este caso ocorre após ter sido condenado à pena de morte o autor do massacre num cinema de Aurora, Colorado, que em 2012 fez 12 mortos e 70 feridos.