Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Empresa do túnel da Mancha reclama €9,7 milhões a Paris e Londres devido à migração ilegal

  • 333

Migrantes em Calais, no norte da França, tentam entrar na Grã-Bretanha escondidos nos camiões de carga

CHRISTIAN HARTMANN / Reuters

Empresa queixa-se das despesas de segurança adicionais e diz que o Reino Unido já se comprometeu a pagar a sua parte

O grupo Eurotunnel pede uma indemnização de 9,7 milhões de euros aos governos francês e britânico para compensar as despesas e perdas operacionais provocadas pelos migrantes que tentam alcançar a Grã-Bretanha através do túnel da Mancha, o qual gere.

"No primeiro semestre, já foram comprometidos 13 milhões de euros em despesas de segurança, equivalente ao total gasto em 2014", anunciou esta quarta-feira o grupo, sublinhando que a legislação prevê que uma parte dessas despesas seja apoiada pelos Estados que admitiram a exploração do túnel. O Eurotunnel adianta que "o Governo britânico já se comprometeu a pagar 4,7 milhões de euros em 2015".

A empresa anuncia que continua a garantir de uma forma intermitente a proteção do túnel e a controlar a passagem de migrantes para a Grã-Bretanha, explicando que “o número de migrantes intercetados pelas forças britânicas pode ser contados pelos dedos de uma mão”.

“O essencial é intercetado na França e isso tem um custo”, concluiu o CEO do Eurotunnel, Jacques Gounon, durante a apresentação dos resultados provisórios do grupo.

A empresa explicou, na mesma apresentação, que dos 9,7 milhões de euros reivindicados, cerca de dois terços correspondem a despesas extra, como novas barreiras que impedem os migrantes ou camiões de entrar no túnel, e o restante diz respeito a uma perda operacional.

O grupo acredita que o número de migrantes em Calais, no norte da França, é amplamente subestimado e, consequentemente, a quantidade das forças de segurança é insuficiente. "Acho que o ministro do Interior disse recentemente que havia dois mil migrantes na floresta em Calais e todas as pessoas locais sabem que há cinco mil", afirma Jacques Gounon.