Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Hollande quer apenas seis países num Governo da zona euro

  • 333

MAL LANGSDON / Reuters

Presidente francês propõe a criação de “uma vanguarda” na zona euro, com um Governo, um orçamento e um Parlamento comuns. O primeiro-ministro Manuel Valls explica que a ideia se dirige aos “países fundadores” da União Europeia. Polémica à vista

Revigorado com o seu recente papel determinante para a continuação da Grécia na zona euro, o Presidente francês François Hollande desenvolveu este domingo as suas propostas para “relançar a Europa” – a criação de um Governo da zona euro, com um orçamento comum e um Parlamento específico.

O chefe de Estado – que se exprimiu através de um artigo publicado no semanário “Journal du Dimanche” – falou no nascimento de uma “vanguarda” na zona euro “com os países que o decidirão”, mas sem desenvolver os contornos exatos das suas ideias.

Acabou por ser Manuel Valls, primeiro-ministro francês, que se encarregou disso, falando em Avignon, à margem de um festival de teatro a que assistiu na tarde deste domingo. Para ele, a “vanguarda” será composta pelos “países fundadores da União Europeia: França, Alemanha, Itália, Bélgica, Luxemburgo e Holanda”.

A Alemanha, com quem, segundo François Hollande, a França deve trabalhar para reforçar esta proposta, ainda não reagiu mas a ideia dos franceses é clara e polémica: trata-se de formalizar de novo a antiga fórmula da chamada Europa “a duas ou várias velocidades”.

Valls garante que os objetivos definidos por Hollande não são apenas palavras lançadas para o ar. “Nas próximas semanas, a França, através do Presidente da República, terá a ocasião de lançar iniciativas, fazer propostas concretas que alimentem esta pista, os elementos dados pelo Presidente”, acrescentou o primeiro-ministro.

É a primeira vez que François Hollande evoca um orçamento e um Parlamento comuns aos países que integrarão um eventual Governo de alguns dos países mais influentes da zona euro. O novo Parlamento, que seria uma espécie de segunda câmara em relação ao já existente Parlamento Europeu, servirá para, segundo Hollande, exercer o “controlo democrático” do novo executivo transnacional e seria composto por parlamentares dos países envolvidos, vindos desta assembleia europeia de Estrasburgo ou das assembleias nacionais.

No Palácio do Eliseu, fontes citadas pela imprensa em Paris sublinham o “grande alcance e ambição” das novas propostas complexas - e certamente muito controversas - de François Hollande.