Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Grécia. Strauss-Kahn critica “conduta política mortífera” da Alemanha

  • 333

Gonzalo Fuentes / Reuters

O antigo líder do FMI diz acreditar que as medidas impostas à Grécia foram ditadas pela “ideologia” e terão um efeito “devastador”

Dominique Strauss-Kahn lamentou as medidas impostas à Grécia, defendendo que terão um “efeito devastador”. O ex-líder do FMI acusou ainda a Alemanha de liderar uma “conduta política mortífera” que visou sobretudo “humilhar” os gregos.

Numa carta dirigida aos “amigos alemães” - que foi divulgada este domingo pelo jornal “Le Fígaro” - Strauss-Kahn critica o acordo com a Grécia para um terceiro resgate do país.

“O que aconteceu durante o último fim de semana é para mim fundamentalmente nefasto, quase mortal”, pode ler-se na carta.

Segundo Strauss-Kahn, as medidas acordadas na cimeira da zona euro foram ditadas pela “ideologia” e “não pelo interesse europeu”, constituindo um “plano selvagem”.

“Tratou-se de uma vitória ideológica sobre um governo de extrema-esquerda ao custo da fragmentação europeia. Nesta cultura somos guardiões. [...] Mas o diabo nunca está longe e leva-nos de volta para os erros do passado: Isto foi o que aconteceu durante este fim-de-semana fatídico”, sublinhou.

O ex-líder do FMI sustentou que a Europa deve sair da “ambiguidade” que prevaleceu durante a criação do euro e adotar uma “visão inteligente” e uma “arquitetura renovada da união monetária”, alertando para o risco da zona euro perder a sua força.