Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Um ano depois, vídeo mostra pilhagem nos destroços do avião do voo MH17

Investigadores holandeses, que lideram uma equipa internacional, ainda não terminaram as investigações

Odd Andersen /AFP / Getty Images

O vídeo divulgado esta sexta-feira pela "News Corp Australia" mostra alegados separatistas pró-russos a vasculharem os destroços do Boeing malaio do voo MH17, que há um ano foi abatido no leste da Ucrânia

“Venham, venham!”, ouve-se um deles dizer, em russo. A câmara vai-se movendo atrás de um homem, vestido com um uniforme de combate. Aproxima-se de uma mochila e este, sem hesitar um segundo, revista-a apressadamente, revira-a, como se estivesse à procura de algo que é seu. Dela, tira vários pertences que não lhe pertencem: um telemóvel, cartões de identificação, roupas... “Tira isso daí [da mochila]." "São roupas”, alguém responde.

Mas é preciso afastarmo-nos desse homem para percebermos onde estamos. Olhamos e à nossa volta vemos destroços de um avião que se amontoam num terreno de relva selvagem, pontuado por zonas de fumo, incendiadas (pelo menos é isto que a câmara de vídeo nos deixa ver). E ouvir: alguém dá uma ordem para afastar os civis do local, ao longe ouvem-se outras vozes - “civis, civis”. Um telefone toca e alguém o atende bem perto da câmara: “Sim, estou aqui. Avião foi abatido e estou no local. F****, era um avião de passageiros, f****.”

Nessas mesmas filmagens, tornadas públicas esta sexta-feira, pequenas revelações vão sendo feitas pelas personagens que nelas intervêm. O coração do avião é encontrado: “Caixa negra, caixa negra!” E, depois disso, mais uma constatação: “Malásia. Estrangeiros. Quem lhes deu o direito de atravessar esta área?”

Uma “atrocidade”

As cenas acima descritas, e que podem ser vistas num vídeo divulgado esta sexta-feira pela “News Corp Australia”, terão ocorrido há um ano. Foi a 17 de julho de 2014 que o mundo tremeu outra vez com a notícia de um novo problema associado a um avião da Malaysia Airlines: desta vez o Boeing 777 não desaparecera, fora abatido quando sobrevoava o leste ucraniano, palco de confrontos entre tropas ucranianas e separatistas, e percorria a rota Amsterdão - Kuala Lumpur.

Estas filmagens, que foram enviadas a uma equipa internacional para se comprovar a sua autenticidade, reforçam ideia preliminar dos investigadores (divulgada esta semana), que consideram que os dados existentes apontam para uma responsabilidade dos rebeldes pró-russos no abate do aparelho, atingindo-o com um míssil (o relatório final, no entanto, será apenas divulgado em outubro). Todas as 298 pessoas que iam a bordo do Boeing 777 morreriam nesse dia e ainda não se chegou a uma conclusão final que permitisse apurar responsabilidades.

As cenas do vídeo provocaram uma reação de choque por parte de alguns líderes políticos. O primeiro-ministro australiano, Tony Abbot, apelidou os acontecimentos do vídeo de uma “atrocidade” e a ministra dos Negócios Estrangeiros do país, Julie Bishop, disse que ficou “maldisposta de o ver”. E acrescentou ainda: “Não consegui verificar a autenticidade do vídeo, mas é certamente consistente com tudo o que nos disseram, o aviso que recebemos há 12 meses, de que o avião do voo MH17 tinha sido abatidos por um míssil no leste da Ucrânia e que os separatistas pró-russos estavam envolvidos.”

Também a Rússia reagiu, alertando para o facto da investigação ainda não ter terminado. O chanceler russo Sergei Lavrov afirmou, em conferência de imprensa, que o acidente do Boeing malaio é resultado de uma infração penal, não uma ameaça à paz e segurança internacionais. “É uma infração penal que, à proposito, é investigada por holandeses e outros participantes principais deste grupo internacional como uma infração penal”.

  • Rebeldes pró-Rússia responsabilizados pelo abate do MH17 na Ucrânia

    Dois dias antes de se completar um ano sobre a queda do avião do voo MH17 da Malaysia Airlines no leste da Ucrânia, que causou a morte de 298 pessoas, a CNN divulga em primeira mão dados sobre a investigação em curso. Entretanto, a Rússia considera a proposta de um julgamento internacional “inoportuna” e “contraproducente