Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

A Grécia aprovou, mas falta outros seis Parlamentos dizerem "sim"

  • 333

YVES HERMAN / Reuters

A Grécia já aprovou o pacote de medidas que vão conduzir ao terceiro resgate financeiro do país. Falta ainda saber o que a Alemanha, Finlândia, Áustria, Holanda, Estónia e Eslováquia pensam do assunto

Seis países têm obrigatoriamente que votar o novo pacote de medidas para o terceiro resgate grego. Apesar de toda a Europa esperar o "sim", Alemanha, Finlândia, Áustria, Holanda, Estónia e Eslováquia têm internamente de escolher se querem ou não apoiar o resgate.

Mesmo com o "sim" do Parlamento grego, só depois destes grupo de países darem luz verde é que as negociações do Mecanismo Europeu de Estabilidade podem avançar.

É esperado que o pacote de medidas passe nestes seis Parlamentos. Até esta quinta-feira, apenas a Finlândia, Estónia e Eslováquia já tinham aprovado o resgate financeiro à Grécia.

No caso finlandês, o sufrágio estava agendado apenas para sexta-feira, mas foi antecipado um dia. O país sempre foi uma das vozes que mais se opôs ao resgate, mas acabou por aceitar, tanto nas negociações em Bruxelas, como na votação em casa. A decisão foi tomada por um comité com 25 deputados que representam o Parlamento nacional.

Os deputados estónios tiveram que interromper as férias para votarem. Na realidade não houve um votação, o que realmente aconteceu foi uma sessão especial para debater o tema. No final a Estónia deu luz verde para o terceiro resgate à Grécia.

Também na Eslováquia não existiu sufrágio para ninguém. O próprio governo tomou a decisão de dizer "sim", tal como explicou o ministro das Finanças, Peter Kažimír.

Da Holanda pouco se sabe. Os deputados têm o poder de decidir se querem ou não votar. Até agora, não foram divulgadas datas, daí que o mais presumível é que nem seja realizada qualquer votação.

Espanhóis e franceses também se juntaram à festa

Na sexta-feira será a vez da Alemanha e a Áustria decidirem se apoiam ou não principio de acordo entre Bruxelas e Atenas.

É em Berlim que o processo é mais complicado: há duas votações. Esta sexta-feira, ao início da manhã, o Parlamento leva a cabo a primeira votação para autorizar as negociações - uma espécie de lei que permite o mandato ao governo para realizar a negociação. Depois, na segunda votação serve para ratificar a versão final do acordo.

À partida tudo indica que do Parlamento alemão saía um "sim", no entanto, ainda antes dos votos já há quem garanta o "não". É o caso de Peer Steinbrück, antigo ministro da Finanças e ex-candidato a Chanceler.

Já na Áustria foi convocada uma sessão especial do Parlamento para debater o resgate grego. Os deputados vão a votos logo pela manhã. À semelhança dos restantes países, também na Áustria se espera a aprovação.

Também França e Espanha quiseram meter-se nestas andanças e votar, apesar de não terem obrigação de o fazer. Os franceses disseram "sim" ainda antes da Grécia, com os deputados a votarem 412 vezes a favor, 69 contra, e 49 abstiveram-se. Já os espanhóis só deveram votar no Parlamento bem perto de agosto.