Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Eurogrupo de acordo sobre transferência de €7000 milhões para Atenas

  • 333

Grafiti em Atenas

ORESTIS PANAGIOTOU / EPA

Decisão surge poucas horas depois de o Parlamento grego ter aprovado o acordo com os credores. Mas ainda falta um passo final para que o dinhero seja transferido

Os 19 ministros das Finanças do euro chegaram esta manhã a um acordo de princípio sobre um empréstimo intercalar de 7 mil milhões a Atenas. O dinheiro deverá vir do fundo de resgate da União Europeia, o que implica também o acordo dos países fora da moeda única.

Ao que o Expresso apurou a Comissão Europeia já encontrou a solução para que países como o Reino Unido não bloqueiam a decisão de se recorrer ao Mecanismo Europeu de Estabilização Financeira (MEEF). “Fizémos muitos progressos e estamos confiantes que um compromisso pode ser alcançado”, disse hoje a porta-voz da Comissão Europeia.

Segundo Annika Breidthardt, Bruxelas está a explorar as opções de forma a dar garantias aos países fora da moeda única de que não serão prejudicados caso a Grécia não reembolse este dinheiro.

Ontem o vice-presidente da Comissão Europeia, Valdis Dombrovkis, adiantava que uma das opções de garantia poderia ser o montante relativo aos lucros que o BCE e os Bancos Centrais Nacionais fizeram com a compra de dívida grega em 2014 e 2015 – 3,3 mil milhões de euros.

O dinheiro tinha sido prometido a Atenas, mas o Eurogrupo adiou sempre a decisão da transferência, à espera que o governo do Syriza implementasse medidas e concluísse o segundo programa de assistência. O valor pode agora transforma-se em garantia para tranquilizar os 9 países que não utilizam o euro, em particular ao Reino Unido.

A decisão final sobre o empréstimo-ponte passa agora das mãos do Eurogrupo – ministros das finanças dos 19 – para o Conselho de ministros a 28. “Uma vez adoptada, os fundos podem ser desembolsados rapidamente”, esclarece ainda a porta-voz.

O dinheiro servirá para pagar ao BCE na próxima segunda-feira e para pagar o dinheiro em atraso ao FMI.