Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Drone mata terroristas que planearam ataque à universidade queniana de Garissa

  • 333

Mohamed Mohamud, que poderá ter morrido no ataque aéreo na Somália, é um dos terroristas mais procurados pelas autoridades quenianas, depois do atentado na universidade de Garissa

SIMON MAINA

Ministério do Interior da Somália, país onde ocorreu o ataque, acredita que Mohamed Mohamud, o grande “arquiteto” do ataque em Garissa, é uma das 30 vítimas mortais

Pelo menos 30 militantes do grupo terrorista al-Shebab, afiliado da al-Qaeda, foram mortos na Somália num ataque realizado por um drone norte-americano esta quinta-feira, avança o governo queniano. Os militantes atingidos são responsáveis por ter planeado o ataque à universidade de Garissa, no nordeste do Quénia, em abril deste ano, que provocou a morte de 148 pessoas.

Mwenda Njoka, porta-voz do ministério do Interior queniano, acrescentou ainda à agência France Presse que existe "informação inicial que indica" que o ataque, realizado esta madrugada por um drone dos Estados Unidos, matou o grande "arquiteto" do ataque à universidade de Garissa, Mohamed Mohamud, um dos terroristas mais procurados pelas autoridades quenianas.

A mesma fonte, no entanto, revelou que é necessária uma análise forense de modo a confirmar que Mohamed Mohamud (também conhecido por Gamadhere, Kuno ou Dulyadin) morreu no ataque.

Caso se confirme, a sua morte será uma conquista importante para o leste africano, que tem tentando combater os avanços e massacres do grupo terrorista.

Para além destas declarações, o Ministério do Interior emitiu um comunicado, no qual dava conta da morte de 51 militantes do al-Shebab na região, na sequência de vários bombardeamentos pelas forças da União Africana, e não referia ataques aéreos realizados por drones.

Os Estados Unidos têm realizados vários ataques com estas aeronaves não tripuladas na região, tentando atingir militantes do grupo al-Shebab, afiliado da al-Qaeda. Em setembro de 2014, um drone foi também responsável pela morte de Ahmed Abdi Godane, o líder do movimento extremista.