Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Bancos gregos reabrem na segunda-feira

  • 333

YIANNIS KOURTOGLOU/ Reuters

Apesar de todas as dependências bancárias abrirem as portas, cada pessoa continua a ter um limite diário de levantamentos de 60 euros

Pela terceira semana consecutiva os bancos gregos estão de portas fechadas, mas na próxima segunda-feira a história vai ser outra. A reabertura dos bancos na próxima semana foi confirmada esta quinta-feira à noite pelo ministro das Finanças, Dimitris Mardas.

"A partir de segunda-feira os serviços oferecidos vão estender-se. Todos os bancos em todo o lado vão abrir", garantiu Mardas ao canal de televisão ERT.

Apesar dos bancos estarem de portas abertas, o limite de 60 euros diários por pessoa mantem-se, no entanto "se alguém não quiser levantar 60 euros na segunda e quiser levantar na terça-feira, por exemplo, pode fazê-lo e passa a poder levantar 120 euros - ou 180, se for na quarta", esclarece o ministro das Finanças.

A reabertura dos bancos surge na sequência do aumento do fundo de emergência concedido esta quinta-feira pelo Banco Central Europeu. O BCE anunciou mais 900 milhões de euros para a linha de emergência de liquidez da Grécia.

A 29 de junho, os bancos gregos encerraram para os depositantes em geral, abrindo apenas portas para os pensionistas receberem as suas reformas.

  • BCE junta-se ao FMI: é preciso aliviar a dívida grega

    Há mais um credor a tocar no tema sensível: agora é Draghi a defender o alívio da dívida grega, algo em que o FMI tem insistido nos últimos dias (admite inclusivamente um corte direto da dívida). BCE decidiu também aumentar a linha de financimento de emergência da banca helénica

  • O aval político de Bruxelas depois da noite difícil de Atenas

    Tirando as declarações de Schäuble, que voltou a defender um Grexit temporário, os credores têm dado a Tsipras o balão de oxigénio que o primeiro-ministro helénico procurava depois da complicada votação no Parlamento em Atenas, acompanhada de violência nas ruas: o BCE aumentou a linha de crédito à banca grega e defendeu um alívio da dívida, os ministros das Finanças da zona euro deram “sim” a um financiamento de emergência e outro “sim” ao que será o princípio do terceiro resgate. Mas a Grécia tem um calendário apertado pela frente