Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Alcançado acordo sobre programa nuclear iraniano

  • 333

FOTO GEORG HOCHMUTH/REUTERS

Dia histórico. O Irão e os países do grupo 5+1 chegaram esta terça-feira a acordo sobre o programa nuclear iraniano. A notícia é avançada por diplomatas em Viena. Está prevista uma conferência de imprensa esta manhã para o anúncio oficial. Obama fará depois uma declaração

Chegam ao fim 12 anos de impasse. O Irão e o grupo de países 5+1 (Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, França, Rússia e China) alcançaram esta terça-feira um acordo histórico sobre o programa nuclear iraniano, avançam fontes diplomáticas em Viena.

"Todo o trabalho difícil já foi feito e selámos um acordo. Deus abençoe o nosso povo", disse um diplomata iraniano, citado pela Reuters.

O acordo inclui um compromisso sobre a visita de inspetores das Nações Unidas (ONU) a instalações militares e visa limitar a atividade nuclear do Irão em troca da suspensão gradual de sanções que reduziram as exportações de petróleo do país, refere a AP. Uma fonte diplomática disse à Reuters que as medidas previstas no acordo deverão em vigor no primeiro semestre de 2016, segundo o esboço do mesmo.

Está prevista para as 10h uma declaração conjunta do ministro iraniano dos Negócios Estrangeiros, Mohammad Javad Zarif, e da alta representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros, Federica Mogherini, após uma reunião plenária final às 8h30 na sede da ONU em Viena (9h30 em Lisboa). Barack Obama fará depois uma declaração às 7h locais (12h em Lisboa).

De acordo com a Reuters, os ministros dos Negócios Estrangeiros do Reino Unido, Alemanha, França, Rússia e China reuniram-se cerca de uma hora depois da meia-noite em Viena para concluir o acordo, que foi negociado durante mais de 20 meses. São mais de 80 páginas de texto e anexos que documentam o acordo, segundo o jornal "New York Times".

Hasan Rohani fala num "bom acordo"
O Presidente iraniano, Hasan Rohani, disse em declarações à agência ISNA que foi alcançado um "bom acordo", sublinhando que as linhas vermelhas do Teerão foram respeitadas no que se refere ao acesso à base militar de Parchin. Numa curta declaração no Twitter, o Chefe de Estado do Irãodefendeu ainda que o acordo é fruto de um trabalho "construtivo" que coloca fim a uma "crise desnecessária" e abre porta a um "novo horizonte" com "desafios partilhados".

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, considerou por sua vez que o acordo constitui um "erro de proporções históricas", alegando que o regime do Teerão continuará a espalhar o terror na região.

No sábado, os ministros dos países do grupo 5+1 já tinham revelado que o documento final estava a ser finalizado. "Noventa e oito por cento do texto está terminado" , disse uma fonte próxima das negociações.

Durante estes anos, os países ocidentais recearam que o Irão utilizasse o seu programa nuclear para desenvolver armas nucleares, embora o regime do Teerão tenha sempre negado essa tese. Este acordo constitui também uma vitória do ponto de vista da política externa de Barack Obama, que conseguiu assim aliviar a tensão entre o Ocidente e o Irão.