Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Israel liberta palestiniano em greve de fome há 56 dias

  • 333

À chegada à sua cidade natal, Khader Adnan abraça a filha.

STRINGER/REUTERS

Khader Adnan foi recebido na sua cidade natal com fogo de artifício, canções e bandeiras da jiad islâmica

Helena Bento

Jornalista

As autoridades israelitas libertaram este domingo o prisioneiro palestiniano que esteve em greve de fome durante 56 dias em protesto contra o procedimento que permite a detenção de pessoas sem acusação.

Khader Adnan, de 37 anos, foi recebido na sua cidade natal (perto de Jenin, no norte da Cisjordânia) como um "herói", descreve o "The Guardian". O ambiente foi de festa, com fogo de artifício, canções e bandeiras da jiad islâmica a acompanhar os festejos. Algumas pessoas saíram à rua com t-shirts estampadas com fotografias suas.

Em declarações feitas pouco tempo depois de ter sido anunciada a sua libertação, a jiad islâmica, movimento ao qual pertencerá Khader Adnan, como defende Israel, congratulou o recém-libertado pela sua "vitória" e disse ter organizado uma festa na cidade, agendada para o final deste domingo. 

Khader Adnan esteve preso durante um ano na sequência de um procedimento administrativo que permite a detenção por tempo indefinido durante períodos de seis meses renováveis.

A greve de fome que cumpriu, e que terminou no mês passado - depois de Israel ter anuncido a sua libertação -, suscitou críticas por parte do Governo palestiniano e gerou uma onda de protestos entre a população. 

Khader Adnan foi detido há um ano depois de ter sequestrado e assassinado três jovens israelitas, o que desencadeou a detenção de centenas de palestinianos.