Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Antes de voltar para Roma, Papa visita uma favela do Paraguai

Papa Francisco visitou um dos bairros mais pobres da capital paraguia de Assunção, numa digressão pela América Latina

GREGORIO BORGIA / POOL / EPA

O périplo de uma semana começou no Equador, passou pela Bolívia e terminou no Paraguai, onde Francisco alertou para as injustiças do capitalismo global e para os perigos da idolatria do "novo bezerro de ouro"

No último dia do périplo pela América Latina, o Papa Francisco visitou Bañado Norte, um dos bairros mais pobres de Assunção, capital do Paraguai, e pediu que os mais necessitados não sejam colocados à margem da sociedade. Segundo o pontífice, a Igreja Católica é um local que recebe toda a gente de braços abertos. 

"Quanta dor pode ser aliviada, quanto desespero pode ser dissipado num lugar onde nos sentimos em casa! Saudando a fome, a sede, o estranho, o nu, o doente, o prisioneiro, o leproso e o paralítico", clamou Francisco, ao descrever aquela que é a sua visão da Igreja. 

No último dia da visita, que tinha como mote a igualdade, Francisco esteve rodeado de milhares de pessoas que gritavam e esticavam as mãos para tocar a sua batina branca quando passava. 

"Agora posso morrer em paz", disse à AP Francisca de Chamorra, viúva de 82 anos, que vive naquele bairro desde 1952. "É um milagre que o Papa tenha vindo visitar este lugar lamacento", acrescentou. 

Perigos da idolatria de um "novo bezerro de ouro" 
Francisco passou os últimos dias a alertar para as injustiças do mundo e do capitalismo global. Este sábado à noite, num pequeno estádio na capital paraguaia, acusou os ricos de adorarem um "novo bezerro de ouro". "Peço-lhes para não cederem a um modelo económico de idolatria, que sacrifica vidas humanas no altar do lucro e do dinheiro", acrescentou.

Dirigindo-se aos políticos e empresários, Francisco disse ainda que estes têm obrigação de garantir uma justa divisão dos lucros e chamou a atenção para os perigos das ideologias que, nas suas palavras, "não funcionam e acabam sempre mal". "Olhem para o que aconteceu com as ideologias no século passado. Acabaram em ditadura!", sublinhou