Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Londrinos recebem mensagem em dia sem metro: “Mantenham-se calmos e Uber on”

  • 333

PAUL HACKETT/REUTERS

A capital britânica vive uma quinta-feira de caos, com os três milhões de utlizadores diários do metro de Londres a terem de encontrar meios de transporte alternativos

Todas as linhas do metropolitano de Londres estão esta quinta-feira encerradas devido à greve que está a dar uma grande dor de cabeça às cerca de três milhões de pessoas que habitualmente se deslocam no congestionado "Underground" londrino.

Os 200 autocarros extra que foram colocados a circular dificilmente conseguem fazer frente à situação. Nas redes sociais estão a ser partilhadas fotografias das ruas cheias de gente a andar a pé e dos autocarros apinhados, deixando muitas pessoas de fora. Em alguns casos, os condutores recusaram-se a conduzir os autocarros porque estavam muito cheios e nenhum passageiro queria sair, referem vários meios de comunicação social britânicos. Muitas pessoas veem-se forçadas a encontrar outras formas de se deslocarem.

A Uber aproveitou para enviar mensagens de email aos seus utilizadores habituais dizendo: “Keep Calm and Uber On” (“Mantenham-se Calmos e Andem de Uber”). A empresa, que opera através de uma rede de carros particulares que são chamados pela Internet, inflacionou, contudo, para mais do dobro os preços cobrados.

Entretanto, a empresa dos táxis licenciados frisa que mantém as mesmas tarifas de sempre e que quem recorrer aos seus veículos não se sentirá enganado.

Condutores do metro têm rendimento anual de 70 mil euros
É a primeira vez nos últimos 13 anos que Londres está sem metro. A greve dos cerca de 20 mil trabalhadores do metropolitano londrino começou às 17h30 de quarta-feira e prolonga-se até a esta quinta-feira à noite.

A paralisação avançou por falta de acordo sobre o pagamento de serviços noturnos de fim de semana que os trabalhadores vão assegurar a partir de setembro. Os condutores do metro têm habitualmente um rendimento anual de 70 mil euros.

A greve coincide com outra paralisação - a dos trabalhadores da linha ferroviária First Great Western, que liga Londres (a partir da estação de Paddington) a várias cidades do sul de Inglaterra.