Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Varoufakis demite-se para facilitar as negociações

  • 333

YANNIS BEHRAKIS / Reuters

A saída de Yannis Varoufakis, poucas horas depois de uma vitória inequívoca no referendo, é absolutamente surpreendente. Mas parece ter como objetivo facilitar as negociações com o Eurogrupo, onde o ministro estava mal visto

Ricardo Costa

Ricardo Costa

Diretor de Informação da SIC

Passava pouco das seis e meia da manhã quando Yannis Varoufakis anunciou que deixava de ser ministro, num curto tweet escrito em inglês: Minister No More! A frase remetia para este um texto mais explicativo, publicado no blogue pessoal de Varoufakis, onde explica o que se passou. No parágrafo mais importante, o ex-ministro explica as razões: “Pouco depois do anúncio do resultado do referendo, fui confrontado com uma certa preferência de alguns membros do Eurogrupo, e demais parceiros, pela minha… ‘ausência’ das suas reuniões; uma ideia que o primeiro-ministro julgou ser potencialmente importante para que ele consiga chegar a um acordo. Por essa razão, deixo de ser ministro das Finanças, hoje mesmo”.

Ainda é muito cedo para se perceber todos os contornos desta demissão, mas parece claro que dirigentes europeus deram a entender ao primeiro-ministro grego que Varoufakis devia sair para facilitar as negociações e Tsipras concordou. É, assim, sem ministro das Finanças, que a Grécia parte para a ronda mais decisiva de reuniões e conversas, quando a liquidez dos seus bancos está literalmente a desaparecer e ninguém sabe quando é que os bancos podem reabrir e quanto dinheiro ainda têm.

A relação entre Yannis Varoufakis e os outros ministros das Finanças da zona Euro estava totalmente comprometida, com declarações muito duras de parte a parte.  

 

 

  • A linha de pensamento de Varoufakis

    Um dia após a vitória do "não" no referendo, Yanis Varoufakis renunciou esta segunda-feira à pasta das Finanças. O professor foi entrevistado recentemente pelo  Expresso

  • Yanis Varoufakis, o marxista "errático"

    O ministro das Finanças grego, que hoje pediu a demissão apesar da vitória do "Não" no referendo, atingiu o estrelato e a infâmia este ano, com um estilo urbano descontraído e com os abrasivos ataques contra a austeridade.