Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Já há sucessor para Varoufakis: Tsakalotos, a voz moderada do Syriza

  • 333

Tsakalotos vai passar a ser o homem da frente

Fotis Plegas G / EPA

O até agora ministro adjunto para as relações económicas internacionais do governo de Tsipras e coordenador da equipa negocial com os credores substitui Yanis Varoufakis. Toma posse ainda esta segunda-feira, pelas 18h

Luísa Meireles

Luísa Meireles

Redatora Principal

Euclid Tsakalotos, de 55 anos, é considerado um moderado e pró-europeu mas, ao contrário do ex-ministro das Finanças grego, é membro do Syriza há cerca de uma década, tendo sido deputado desde 2012. Era o principal porta-voz económico do Governo grego e o "ministro-sombra" das Finanças.

Juntamente com o nº 2 do Governo grego, o vice-primeiro-ministro Yanis Dragasakis, é visto como os que têm tomado posições mais pró-europeias. É radicalmente contra um "Grexit", sendo a favor da manutenção do país no euro.

Relatos da imprensa grega deram conta que quando Tsipras decidiu regressar à Grécia e convocar o referendo, Tsakalotos tinha-se manifestado a favor da realização do acordo, ao contrário da posição que teria sido assumida por Varoufakis.

Tsakalotos estudou em Oxford, onde concluiu o seu doutoramento em 1989, tendo estudado política, filosofia e economia. Fez uma carreira como professor, tendo ensinado nas universidades de Kent e Atenas.

Já foi descrito como o "cérebro por trás da política económica do Syriza", tendo publicado seis livros. No último, "Cadinho da resistência: Grécia, a Eurozona e a Crise Económica Mundial" (2012), argumenta que o seu país atravessou duas décadas de modernização neoliberal antes da crise financeira de 2008, cujo resultado foi a ampliação da desigualdade social e o défice democrático.

Segundo Tsakalatos, a situação da Grécia não é simplesmente consequência de uma "crise económica", mas de uma "crise da democracia" na eurozona. Numa intervenção em março, ainda antes de se ter tornado o principal negociador grego junto dos credores, afirmou que "nós não pedimos tratamento especial, mas tratamento igual numa Europa de iguais".

Passava pouco das seis e meia da manhã quando Yannis Varoufakis anunciou esta segunda-feira que deixava de ser ministro, num curto tweet escrito em inglês: Minister No More! A frase remetia para este um texto mais explicativo, publicado no blogue pessoal de Varoufakis, onde explica o que se passou. No parágrafo mais importante, o ex-ministro explica as razões: “Pouco depois do anúncio do resultado do referendo, fui confrontado com uma certa preferência de alguns membros do Eurogrupo, e demais parceiros, pela minha… ‘ausência’ das suas reuniões; uma ideia que o primeiro-ministro julgou ser potencialmente importante para que ele consiga chegar a um acordo. Por essa razão, deixo de ser ministro das Finanças, hoje mesmo”.

  • Varoufakis demite-se para facilitar as negociações

    A saída de Yannis Varoufakis, poucas horas depois de uma vitória inequívoca no referendo, é absolutamente surpreendente. Mas parece ter como objetivo facilitar as negociações com o Eurogrupo, onde o ministro estava mal visto

  • Saída de Varoufakis: uma alteração tática?

    Não devemos desprezar Yanis Varoufakis. Para além de um académico brilhante, que deixa a léguas grande parte dos seus homólogos europeus, foi, de longe, o deputado mais votado e, pelo menos no início deste governo, era muitíssimo popular na Grécia

  • Yanis Varoufakis, o marxista "errático"

    O ministro das Finanças grego, que hoje pediu a demissão apesar da vitória do "Não" no referendo, atingiu o estrelato e a infâmia este ano, com um estilo urbano descontraído e com os abrasivos ataques contra a austeridade. 

  • A linha de pensamento de Varoufakis

    Um dia após a vitória do "não" no referendo, Yanis Varoufakis renunciou esta segunda-feira à pasta das Finanças. O professor foi entrevistado recentemente pelo  Expresso