Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

A linha de pensamento de Varoufakis

  • 333

Yanis Varoufakis, o homem que vai discutir com Bruxelas se a Grécia fica no euro ou sai

ALKIS KONSTANTINIDIS / Reuters

Um dia após a vitória do "não" no referendo, Yanis Varoufakis renunciou esta segunda-feira à pasta das Finanças. O professor foi entrevistado recentemente pelo  Expresso

 

O académico Yanis Varoufakis, professor na Universidade do Texas em Austin, cujo blogue pessoal se tornou uma referência internacional sobre a situação grega, foi entrevistado várias vezes pelo Expresso e quer ele quer Euclid Tsakalotos, professor de Economia na Universidade Nacional de Atenas e conselheiro económico do Syriza ainda, recentemente, em dezembro, expressaram os seus pontos de vista em entrevistas publicadas no diário digital do Expresso.

Varoufakis vai manter ativo o seu blogue pessoal "Pensamentos para um mundo pós-2008" no sentido de manter "uma linha aberta para o mundo exterior". Tem uma conta no twitter com 132 mil seguidores onde se define como "professor de economia, escrevendo tranquilamente obscuros textos académicos durante anos, até que foi empurrado para a cena pública em virtude da forma fútil como a Europa lidou com uma crise inevitável".

O duo de académicos enfrenta uma Bolsa com um queda de 3,2% no dia seguinte às eleições e com as yields das obrigações gregas a 3 anos a subirem para 11,76%, a 5 anos para 10,6% e a 10 anos para 8,87%. O custo de segurar a dívida grega contra uma bancarrota subiu para 1344,46 pontos base, o que coloca a Grécia no clube restrito dos países com mais alta probabilidade de incumprimento, liderado pela Venezuela e onde participam a Ucrânia e o Paquistão.

Varoufakis e Tsakalotos enfrentarão os congéneres do Eurogrupo pela primeira vez a 16 de fevereiro.

Frente dos periféricos Varoufakis, que fez 54 anos em março e tem dupla nacionalidade grega e australiana, foi logo dado como o elemento-chave do governo do Syriza para negociar com Bruxelas, o Eurogrupo e o Fundo Monetário Internacional a questão da dívida grega e da saída do resgate. Uma das ideias que expressou recentemente é a de criar uma "frente dos periféricos".

"A prioridade da Grécia deveria ser renegociar o memorando com a União Europeia, aceitando, no entretanto, algum tumulto no mercados monetários, como um preço que tem de ser pago para escapar à fase atual de "prolongar e fingir" para uma etapa genuína de estabilização e crescimento", disse-nos em dezembro.

"Se isso significar, durante as nossas negociações, que as yields da dívida de Portugal, Espanha e Itália sobem, tanto melhor. Porque Lisboa, Madrid e Roma serão forçadas a participar criativamente nessas negociações, formando uma frente dos periféricos, de modo a criar uma nova arquitetura da zona euro, que acabe com a asfixia de nações com orgulho em nome de regras fúteis, inexequíveis e misantrópicas", explicou.

Num registo distinto, mas confluente, o ministro das Finanças irlandês Michael Noonam havia manifestado no início do ano apoio a uma ideia de conferência sobre a dívida. No entanto, esta segunda-feira recuou da posição inicial dizendo que "ainda não é necessária" e que as negociações se podem travar dentro do Eurogrupo e do Ecofin, onde têm sido bem sucedidas.

Uma das áreas de investigação em que Varoufakis investiu muito trabalho académico e político foi o da dívida soberana. Conjuntamente com Stuart Holland, professor na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, lançou uma proposta de reestruturação das dívidas soberanas da zona euro em 2010, ainda quando era professor de Teoria Económica na Universidade de Atenas. Mais recentemente, depois da sua ida para a Universidade do Texas, contou com os contributos de James K. Galbraith, um conhecido professor daquela universidade em Austin.

Em julho de 2013, em entrevista ao Expresso, referia-nos:"Resolver a crise sem que os contribuintes alemães paguem um cêntimo de euro e sem premiar o risco moral" é a sua ideia chave, que passou a explicar:"É um erro enorme acreditar que a Alemanha, por ser um país com excedentes, deverá pagar quer a dívida dos periféricos quer os investimentos que os nossos países necessitam. Ele discorda da ideia de um "Plano Marshall" financiado por parte dos membros da zona euro com excedentes externos e folga orçamental. Considera politicamente inexequível essa estratégia de "transferências unilaterais" entre países excedentários e deficitários e prefere algo similar a um "New Deal" à escala europeia.

Três pilares de uma reestruturação "modesta" Varoufakis denominou o pacote de medidas que advoga como "proposta modesta", uma espécie de plataforma mínima, que considera exequível no curto prazo, sem alterações nos Tratados da União, incluindo no papel do Banco Central Europeu (BCE), e sem exigir a concretização prévia de uma União Bancária ou de qualquer federação política.

Os três pilares da sua proposta são os seguintes: 1) a conversão parcial da dívida soberana até 60% do PIB (o limite admitido pelo Tratado de Maastricht) através da emissão de obrigações por parte do BCE que, na prática, funcionará como um "intermediário"; 2) o lançamento de um programa do tipo do "New Deal" norte-americano de investimentos produtivos através do Banco Europeu de Investimento (BEI) e do Fundo Europeu de Investimento (FEI) que se financiarão no mercado obrigacionista; 3) o uso exclusivo do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE) para a recapitalização direta do sistema bancário, sem endividamento por parte dos governos. A dívida ao BCE contará para a dívida nacional, mas os empréstimos por via do BEI e do FEI não serão considerados nesse âmbito.

Uma das especialidades académicas de Varoufakis é teoria de jogos, que lecionou na Universidade de Sydney na Austrália. Um dos seus colegas de então, Frank Stillwell, disse ao jornal "The Sydney Morning Herald": "Ele conhece as limitações da teoria dos jogos, mas estou certo que aplicará o que aprendeu sobre pensamento estratégico".

Sustentabilidade da dívida primeiro

Por seu lado, Euclid Tsakalotos doutorou-se em Oxford e preocupou-se, nas entrevistas recentes que deu, em acentuar que o Syriza não advogava uma saída do euro, não alimentando a especulação sobre uma Grexit [do inglês Greece e exit].

Sobre as tarefas imediatas, o académico foi claro na entrevista em dezembro ao Expresso: "Não faz grande sentido discutir a estratégia macroeconómica e as reformas estruturais se nada for acordado em relação à sustentabilidade da dívida grega. Uma linha cautelar não faz sentido, se a dívida não for sustentável. O que é preciso é tornar a dívida sustentável". Questionado como, respondeu: "Há várias combinações de intervenções para se conseguir esse objetivo. Mas certamente incluirão corte de cabelo na dívida (haircut), um travão nas políticas de austeridade, e uma iniciativa de investimento pan-europeia".

James K. Galbraith convidou Yanis Varoufakis em 2013 para dar aulas como professor visitante na Lyndon B. Johnson School of Public Affairs na Universidade do Texas em Austin. O académico grego lecionaria desde a primavera de 2013 três cursos: Políticas Económicas Avançadas, Tópicos avançados de Política Pública, e Microeconomia.

Sobre o académico com que trabalhou, Galbraith disse esta segunda-feira ao Expresso: "Era um excelente colega e muito bem visto pelos estudantes que votaram nele dois semestres consecutivos como o melhor professor". Ao futuro ministro das Finanças, Galbraith espera que "mantenha a mesma abordagem disciplinada". "Ele dá extrema atenção aos detalhes e pensa as implicações mais rapidamente do que qualquer um que eu tenha conhecido", acrescenta.

Em relação à proposta "modesta" de reestruturação de dívida na zona euro, o professor de Austin atribui o mérito a Varoufakis e a Stuart Holland, professor na Universidade de Coimbra. A "genialidade" da proposta é a sua disciplina: "descobrir formas de lidar com problemas maiores mantendo-se dentro do quadro atual de tratados europeus". Aos responsáveis de Bruxelas e do Eurogrupo, bem como ao seu colega Varoufakis, Galbraith deixa uma frase que o seu pai cunhou para o presidente Kennedy: "Não devemos negociar por medo. Mas nunca tenhamos medo de negociar".