Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

“Digam aos portugueses que na Grécia lutamos também por vocês”

  • 333

STRINGER / Reuters

Milhares de gregos festejaram a vitória do “não”. Mensagem: o orgulho é mais importante que o dinheiro. “Não sei se conseguiremos ou não um acordo. Mas se tivermos de deixar o euro, pelo menos fazemo-lo de cabeça levantada”

Ao início muitos não acreditaram e a festa demorou a arrancar. As sondagens à boca das urnas, divulgadas imediatamente após o fecho das assembleias de voto, davam um resultado demasiado próximo entre os dois lados para permitir grandes celebrações. Mas, a pouco e pouco, os rostos carregados deram lugar à emoção e a praça Sintagma voltou a encher-se de gente, de bandeiras e de esperança.

Uma multidão, sobretudo composta de jovens, invadiu a principal praça de Atenas ao som de canções revolucionárias e de músicas de intervenção do tempo da resistência à ditadura. Houve lágrimas e abraços, risos e muita alegria, como se repentinamente o país esquecesse as filas do multibanco e pusesse em modo de pausa a crise, o sofrimento e o medo.    

“Estou muito orgulhoso pelo meu povo. Não sei se conseguiremos ou não um acordo. Mas se tivermos de deixar o euro, pelo menos fazemo-lo de cabeça levantada”, emocionava-se Icarus, de 20 anos, estudante de Arqueologia.

O discurso era comum entre os milhares de apoiantes do “não” que este domingo à noite celebraram o resultado do referendo à última proposta dos credores. Tal como na manifestação de sexta-feira, “dignidade” voltou a ser uma das palavras mais ouvidas. O orgulho, repetem, é mais importante do que o dinheiro.

“Ameaçaram-nos e chantagearam-nos, mas os gregos não têm medo. Não é possível conceber uma Europa sem a Grécia. A própria palavra 'Europa' nasceu aqui. Assim como a democracia, a política, a filosofia, a ética ou o teatro. Não podem tratar-nos como lixo. É por isso que votei 'não'. Não foi pelo memorando - foi pelo orgulho e pela nossa dignidade”, resumia Elias, um engenheiro de 28 anos a trabalhar como empregado de balcão, pouco menos de uma hora antes da divulgação dos primeiros resultados.

1 / 38

MARKO DJURICA

2 / 38

Dimistris Michlakis / STRINGER / Reuters

3 / 38

ORESTIS PANAGIOTOU

4 / 38

YANNIS BEHRAKIS

5 / 38

MARKO DJURICA

6 / 38

YANNIS BEHRAKIS

7 / 38

YANNIS BEHRAKIS

8 / 38

MARKO DJURICA

9 / 38

YANNIS BEHRAKIS

10 / 38

ORESTIS PANAGIOTOU

11 / 38

PETER NICHOLLS

12 / 38

YANNIS BEHRAKIS

13 / 38

KAY NIETFELD

14 / 38

ARMANDO BABANI

15 / 38

ARMANDO BABANI

16 / 38

KAY NIETFELD

17 / 38

ORESTIS PANAGIOTOU

18 / 38

ORESTIS PANAGIOTOU

19 / 38

YANNIS KOLESIDIS

20 / 38

YANNIS KOLESIDIS

21 / 38

MARKO DJURICA

22 / 38

YANNIS BEHRAKIS

23 / 38

MARKO DJURICA

24 / 38

YANNIS BEHRAKIS

25 / 38

YANNIS BEHRAKIS

26 / 38

YANNIS KOLESIDIS

27 / 38

ARMANDO BABANI

28 / 38

ARMANDO BABANI

29 / 38

YANNIS BEHRAKIS

30 / 38

YANNIS KOLESIDIS

31 / 38

YANNIS KOLESIDIS

32 / 38

YANNIS KOLESIDIS

33 / 38

YANNIS KOLESIDIS

34 / 38

KAY NIETFELD

35 / 38

KAY NIETFELD

36 / 38

JEAN-PAUL PELISSIER / Reuters

37 / 38

MARKO DJURICA / Reuters

38 / 38

STRINGER

Às bandeiras gregas juntaram-se bandeiras de outros países europeus, nomeadamente de França, Itália e Espanha. E entre o azul e branco da Grécia sobressaiu também na Sintagma o vermelho e verde de Portugal. Stavros Stellas, de 60 anos, saiu à rua para festejar a vitória do “não”, segurando as cores portuguesas na mão. “A nossa situação é semelhante. A nossa dívida é o lucro dos países do norte da Europa”, acusava o militante do Syriza. “Foi uma vitória contra tudo e contra todos. Contra os media privados, que fizeram propaganda pelo 'sim', contra os grandes empresários e contra a União Europeia, que fez connosco uma chantagem intolerável. Mas ganhámos. As pessoas quiseram dizer 'não', mesmo que fiquem sem comer”, dizia.

A tensão entre o Sul e o Norte da Europa esteve também presente no discurso de muitos outros manifestantes. “Digam aos portugueses que na Grécia lutamos também por vocês”, pedia Thodoros, um desempregado de 35 anos.  

O discurso do primeiro-ministro interrompeu, por momentos, os festejos na Sintagma. O som da música, dos tambores e dos apitos baixou repentinamente pelas 23h30 (hora local, menos duas em Lisboa), quando Tsipras começou a falar ao país. Dezenas de pessoas correram para as esplanadas da praça, onde estavam montadas televisões, e ficaram coladas ao ecrã, pedindo silêncio para ouvir o discurso, seguido com emoção.

“Não sairemos das negociações - entraremos reforçados nelas”, garantiu Alexis Tsipras, provocando uma ovação geral. O primeiro-ministro reiterou que a Grécia não pretende sair do euro, mas quer permanecer na União Europeia em condições de maior igualdade. E pediu força ao povo para os tempos difíceis que se adivinham.

Christine Saponas, de 18 anos, uma das cerca de 180 mil jovens que votaram neste referendo pela primeira vez, seguia o discurso emocionada. “Sabemos que o mais difícil vai começar agora e estamos preparados para isso. O mais importante está feito. Mostrámos que um povo pode falar e dizer chega. Foi uma grande vitória para a Grécia e uma grande lição para o mundo.”

Dimistris Michlakis / STRINGER / Reuters