Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Hollande quer acordo com a Grécia agora, já, depressa

  • 333

HANDOUT / Reuters

Presidente francês discorda da chanceler alemã. Diz que não se pode esperar pelo resultado do referendo do próximo domingo na Grécia

Após o primeiro-ministro grego ter cedido e declarado que aceita a proposta dos credores - desde que haja algumas "emendas" -, François Hollande apelou esta quarta-feira aos líderes europeus que assinem rapidamente um acordo com o Executivo helénico.

"É o nosso dever manter a Grécia na zona euro. Isso depende da Grécia, mas também depende de nós. Como europeu, não desejo a dissolução da zona euro. Mas temos de ser claros: o acordo é agora. Depois do referendo poderá ser um salto no escuro", afirmou esta quarta-feira o presidente gaulês em Lyon, onde participa num congresso. 

A posição de Hollande é contrária à da chancelar alemã, Angela Merkel, e do próprio líder do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, que defendem que é preciso esperar pelo resultado do referendo do próximo dia 5 de julho.

Na mesma linha, o primeiro-ministo francês, Manuel Valls, disse que um acordo com Atenas ainda é "possível e desejável", frisando que o seu governo considera que o diálogo deve ser retomado em breve com os credores.

  • Reunião do Eurogrupo adiada para as 16h30

    Ministros das Finanças dos países com moeda única voltam a reunir-se esta tarde por teleconferência, na tentativa de pôr fim ao impasse grego. França e Itália garantem que toda a zona euro está interessada num acordo 

  • É oficial. A Grécia está em incumprimento

    O FMI confirmou esta terça-feira que Atenas não liquidou a tranche de 1600 milhões de euros que deveria ter pago até ao último dia do mês de junho. A Grécia acaba de entrar para um clube restrito onde estão a Somália, o Sudão e o Zimbabué

  • Grécia perde acesso a €30,6 mil milhões

    Com o final do segundo programa de resgate e o não pagamento ao FMI, Atenas perdeu esta terça-feira o desembolso de €14,6 mil milhões de fundos europeus e de lucros do sistema euro e vê suspenso o acesso a mais €16 mil milhões do FMI. Fundos Europeus podem exigir pagamento antecipado de €170 mil milhões