Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Vaga de calor já matou mais de mil pessoas no Paquistão

  • 333

REHAN KHAN / EPA

As temperaturas começaram a baixar mas ainda há muitas pessoas desidratadas. Sobretudo idosos pobres incapazes de identificar os sintomas

A intensa vaga de calor que atingiu nos últimos cinco dias a cidade de Carachi e a província de Sindh, no sul do Paquistão, já matou mais de mil pessoas, informou esta quinta-feira o porta-voz de uma das principais instituições de solidariedade social deste país asiático. Segundo Anwar Kazmi da Fundação Edhi, “o número total de vítimas poderá mesmo chegar a 1500”.

Apesar da temperatura do ar ter registado uma acentuada descida – nos últimos dias as máximas chegaram aos 45 graus célsius mas esta quinta-feira ficaram-se pelos 36 – milhares de pessoas, algumas das quais gravemente desidratadas, continuam a procurar ajuda nos hospitais e nos centros de assistência montados pelos militares.

De acordo com um levantamento efetuado pelo correspondente da agência francesa AFP em Carachi, nos hospitais da cidade e arredores foram registadas 1079 mortes devido ao calor excessivo. Fontes médicas falam em mais de 80 mil pessoas atendidas.

Qaiser Sajjad, da Ordem dos Médicos, diz que a incapacidade de uma parte considerável da população para identificar os sintomas de desidratação e tratá-los, terá contribuído em grande medida para o elevado número de vítimas mortais, sobretudo idosos pobres.

Vivem em Carachi, sede do banco central, da principal bolsa de valores e do maior porto do Paquistão, cerca de 20 milhões de pessoas. O céu nublado e a brisa que sopra do Índico muito terá ajudado a arrefecer o ar.

Como em qualquer tragédia, não chega tratar dos vivos. É preciso enterrar os mortos. E a tarefa tem-se revelado igualmente penosa. Nas câmaras frigoríficas das morgues de Carachi, administradas pela Fundação Edhi, há dezenas de corpos à espera de poderem ser sepultados já que o calor intenso também paralisou, ou quase, os coveiros. Como qualquer outro muçulmano, durante o Ramadão, estão impedidos de comer e beber durante o dia.