Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Merkel diz que "não foi discutido cenário de extensão" do plano de resgate grego

  • 333

FOTO ERIC VIDAL/REUTERS

Os próximos dias vão ser de "trabalho intensivo", salientou a chanceler alemã. Outros líderes europeus também reagiram.

À saída da cimeira extraordinária da zona euro, Angela Merkel assegurou que  "não foi discutido um  cenário de extensão" do plano de resgate e mais uma vez referiu o pouco tempo que a Grécia tem para fechar o acordo com Bruxelas.

Os próximos dias vão ser de "trabalho intensivo", acrescentou a chanceler alemã, e todos os líderes europeus estão altamente "empenhados" em encontrar uma solução.

O discurso do presidente francês também seguiu a mesma linha de progresso. "Estamos a caminhar para um acordo",  disse François Hollande aos jornalistas. Apesar de ainda haver trabalho pela frente, espera que o mesmo se traduza "numa conclusão" na reunião do Eurogrupo de quarta-feira.

Para já, o ponto de situação passa por verificar "qual é exatamente a avaliação em termos de receitas das medidas" apresentadas pelo governo grego. O chefe de estado lembra que embora se possa alcançar um acordo entre as instituições europeias e Atenas, o documento terá que passar pela aprovação no Parlamento helénico.

Recorde-se que o tempo não joga a favor da Grécia, que tem que pagar 1,6 mil milhões de euros ao Fundo Monetário Internacional (FMI) até 30 de junho.


48 horas decisivas

Dalia Grybauskaitė, presidente da Lituânia não se mostrou impressionada com as propostas dos gregos e avisou que as próximas "48 horas serão cruciais".O encontro serviu essencialmente para "persuadir o governo grego a usar a nossa experiência e atuar como for necessário". Ainda antes da reunião começar, Grybauskaitė deixou no twitter uma mensagem perentória: "O governo grego ainda quer festejar, mas alguém tem que pagar as contas".

Mais curto nas declarações foi o primeiro-ministro italiano, um dos primeiros a abandonar a cimeira. Matteo Renzi limitou-se a dizer que o "trabalho está em progresso". 

Também Christine Largarde, diretora-geral do FMI  saiu rapidamente, salientando apenas a importância dos trabalhos que vão decorrer nos próximos dois dias.