Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

O Gracidente não é uma inevitabilidade: “aconteceram coisas prometedoras”

  • 333

Donald Tusk, de costas na imagem, elogiou as mais recentes propostas gregas

ERIC VIDAL / POOL / EPA

A Grécia discute-se ao alto nível nas salas de reuniões europeias, mas também no Twitter - a conta do presidente do Conselho Europeu revela desenvolvimentos, desvenda o espírito geral dos credores e arrisca uns neologismos

Palavra de Donald Tusk: a Grécia apresentou as "primeiras propostas reais". E o presidente do Conselho Europeu diz mais - pronuncia-se no Twitter, onde pede trabalho e reuniões técnicas.

Sinal dos tempos: é preciso andar no Twitter para saber em primeira mão os avanços e recuos nas negociações com Grécia. Donald Tusk explicou o que quer e o que é possível evitar noutros tweets - nos quais introduz novo léxico: tem-se falado sobre Grexit, ele quer evitar um Gracidente.

Tusk acredita, pede responsabilidade, mas também coloca pressão em Atenas. O presidente do Conselho Europeu alerta para a ampulheta. Mais um tweet - é conta a seguir, porque ele faz política com ela.

  • Nova confusão com a Grécia adia esperança de acordo

    “Parece ser uma segunda-feira onde desperdiçámos muitas milhas aéreas”, disse um ministro à entrada do Eurogrupo desta segunda-feira. Em causa está uma confusão com as propostas que Atenas terá apresentado este fim de semana e que não seriam as definitivas

  • Grande entrevista: as confissões, motivações e explicações de Varoufakis

    Ele esclarece o casaco de couro e a gravata ausente: “Quem usa os melhores fatos Armani? Os mafiosos. Isso faz deles gente respeitável?”. Mas esse é o Varoufakis rock star, porque depois há o outro, governante de um país no purgatório - Tsipras avisou-o de antemão. “Disse-me: 'Ouve, vão tentar abater-te, abrir brechas entre nós, porque tu és a lebre. Se te atirarem abaixo, depois lançam-se a mim’.” Yanis Varoufakis, ministro grego das Finanças, concedeu esta entrevista no início de junho, mês que tem sido marcado pelo impasse nas negociações entre Atenas e as instituições europeias. “Quando aprender as maneiras dos políticos, demito-me. Por outras palavras, quando começar a mentir e a não chamar espada a uma espada, deixei de ser útil.” E tem um recado: “Quem se entusiasma com o poder político devia ser impedido de o ter”