Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

A decisão é a de sempre, mas o tom melhorou

  • 333

Presidente do Eurogrupo diz que as novas propostas vindas de Atenas foram "bem-vindas"

YVES HERMAN / Reuters

Acabou a primeira reunião do dia que tinha a indefinição grega em cima da mesa. O Eurogrupo começou como acabou - sem acordo para a Grécia -, mas o tom do discurso está diferente: ouviu-se que “há progressos”, que apareceu “uma boa base de trabalho” e que as novas propostas de Atenas foram “bem-vindas”. A Alemanha continua prudente

Cátia Bruno

Cátia Bruno

Jornalista

Numa reunião bem mais curta do que é habitual - durou cerca de uma hora -, os ministros das Finanças da zona euro não chegaram a qualquer acordo sobre a situação grega, como já tinha sido previsto por vários dos ministros à entrada do encontro, mas os trabalhos técnicos mantêm-se em curso. A informação foi avançada pelo ministro das Finanças finlandês, Alexander Stubb, na sua conta de Twitter. 

Também o vice-presidente da Comissão Europeia, Valdis Dombrovskis, avançou no Twitter que terá de haver nova reunião do Eurogrupo esta semana. 

Segundo o correspondente em Bruxelas do jornal "Guardian", Ian Traynor, haverá atualmente dissidências entre os credores relativamente às propostas avançadas (ou não) pelos gregos este fim de semana. Não é ainda claro o que terá sido apresentado, com o ministro alemão Wolfgang Schäuble a dizer que a situação é igual à de quinta-feira, mas com Pierre Moscovici, comissário europeu, a falar em "progressos".

Jeroen Dijsselbloem, presidente do Eurogrupo, disse em conferência de imprensa que as propostas vindas de Atenas nesta segunda-feira de manhã foram "bem-vindas", mas os constrangimentos temporais impediram que pudessem ser avaliadas neste Eurogrupo, por não haver ainda detalhe suficiente.

Dijsselbloem, que desvalorizou a troca de propostas gregas à última hora, dizendo que são ambas "muito semelhantes", propôs que as negociações técnicas tivessem início "já esta tarde", mas garantiu que seriam precisos alguns dias para conseguir um resultado.

Já Pierre Moscovici, comissário europeu, declarou que as propostas gregas são "uma boa base de trabalho" e que os credores têm agora um "mandato" para chegar a um acordo.

A cimeira de líderes europeus prevista para o final desta tarde deverá manter-se. No entanto, sem um acordo técnico prévio, não será possível chegar a um entendimento sobre a questão grega esta segunda-feira. Dijsselbloem diz que o encontro se mantém porque "os líderes são sempre livres de ter um outro ponto de vista".

  • Nova confusão com a Grécia adia esperança de acordo

    “Parece ser uma segunda-feira onde desperdiçámos muitas milhas aéreas”, disse um ministro à entrada do Eurogrupo desta segunda-feira. Em causa está uma confusão com as propostas que Atenas terá apresentado este fim de semana e que não seriam as definitivas

  • O jornal financeiro grego “Agora” avança com o valor da divergência. O economista norte-americano Larry Summers expressou a troca que é proposta – gregos aceitam cortes nas pensões e aumento do IVA; credores oficiais oferecem discussão do alívio da dívida

  • Palavra por palavra, proposta por proposta: o que Varoufakis pediu e a Europa rejeitou

    Para que se informe e então avalie, para que se questione e depois o questione, para que possa elogiar ou criticar, caso pretenda lamentar ou exaltar, o Expresso traduziu na íntegra o que Varoufakis leu e apresentou na reunião de Eurogrupo de quinta-feira, que acabou como começou: em desacordo. A leitura é longa, mas recomendável e necessária para se perceber o que a Europa rejeitou e o que a Grécia pediu

  • Grande entrevista: as confissões, motivações e explicações de Varoufakis

    Ele esclarece o casaco de couro e a gravata ausente: “Quem usa os melhores fatos Armani? Os mafiosos. Isso faz deles gente respeitável?”. Mas esse é o Varoufakis rock star, porque depois há o outro, governante de um país no purgatório - Tsipras avisou-o de antemão. “Disse-me: 'Ouve, vão tentar abater-te, abrir brechas entre nós, porque tu és a lebre. Se te atirarem abaixo, depois lançam-se a mim’.” Yanis Varoufakis, ministro grego das Finanças, concedeu esta entrevista no início de junho, mês que tem sido marcado pelo impasse nas negociações entre Atenas e as instituições europeias. “Quando aprender as maneiras dos políticos, demito-me. Por outras palavras, quando começar a mentir e a não chamar espada a uma espada, deixei de ser útil.” E tem um recado: “Quem se entusiasma com o poder político devia ser impedido de o ter”