Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

“A Grécia precisa de políticos que estejam preparados para dizer a verdade”

  • 333

Presidente do Eurogrupo dirigiu-se ao povo grego, fez observações sobre o caráter político e explicou que há algo impensável, mesmo que se chegue a um acordo

Tem sido constantemente dos mais críticos relativamente à postura negocial da Grécia: Jeroen Dijsselbloem, presidente do Eurogrupo, saiu de mais uma reunião infrutífera com palavras duras. “Serão necessárias medidas difíceis, mas também é necessário ter políticos que estejam preparados para dizer a verdade ao seu povo. Não há soluções fáceis.”

A reunião desta quinta-feira do Eurogrupo acabou com o presidente do Eurogrupo a ser rijo com o Governo grego - à semelhança da líder do FMI, Lagarde (pronunciou uma das frases mais polémicas do dia: “Temos de recomeçar o diálogo, mas com adultos na sala”) - e a falar para o povo grego, que precisa “de um acordo justo e credível”. “O que significa que a Grécia tem de se tornar independente financeiramente e ter o próprio futuro nas suas mãos. Qualquer acordo que não ofereça um futuro justo e sustentável será um mau acordo também para Grécia”. 

O líder do Eurogrupo não fecha portas a uma outra possibilidade. “Um acordo tem de ser credível. Ainda há tempo para encontrar um acordo e extender o atual programa de resgate. Mas muito pouco tempo resta [o prazo é 30 de junho]”, disse Dijsselbloem.  

O presidente do Eurogrupo lamentou ainda que a reunião tenha sido monopolizada pela crise na Grécia e que tão pouco progresso tenha sido feito durante as negociações - “não há sinal de acordo”, lamentou.

E há outro problema, diz. “Dado o curto período de tempo, se chegarmos a acordo, é impensável que a implementação do acordo e depois o pagamento ao FMI também ocorram antes do fim do mês. Isso é impensável.”

Problemas, só problemas. “A bola está no campo dos gregos”, aponta Dijsselbloem.

STEPHANIE LECOCQ / EPA