Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Presidente de organização de direitos cívicos fez-se passar por afro-americana

  • 333

Ao longo dos anos, Rachel Dolezal mudou significativamente a sua aparência

Rachel Dolezal demitiu-se da Associação Nacional para o Progresso das Pessoas de Cor após os seus pais terem revelado que ela é, na verdade, uma branca a fazer-se passar por negra

A história causou perplexidade e indignação na América. Rachel Dolezal, defensora dos direitos cívicos que se fazia passar por afro-americana, demitiu-se na quinta-feira da presidência da delegação de Spokane, Washington, da Associação Nacional para o Progresso das Pessoas de Cor (NAACP, na sigla inglesa), depois de os seus pais terem revelado que ela é, na verdade, branca.

“Não sou um profissional treinado, de modo que não posso dizer ao certo, mas muitas das coisas que ela fez não são racionais nem normais. Uma pessoa sã não teria tido a abordagem que ela teve”, afirmou o pai, Lawrence Dolezal, à CNN.

A mãe de Rachel disse que a filha não lhe explicou o motivo que a levou a mentir quanto à sua origem étnica, acrescentando que há muito tempo que não se falam e que ela não queria ser vista com eles, temendo ser desmascarada.

“Penso que ela tem um problema de falta de integridade”, afirmou Ezra, irmão adotivo afro-americano de Rachel. A ex-presidente da NAACP de Spokane tem quatro irmãos adotivos, três afro-americanos e um do haiti. Cresceu em Troy, Montana.

“A questão não sou eu. É a justiça”
Terá sido na universidade que começou a tentar fingir ser afro-americana, tendo inclusive obtido uma bolsa para Howard University, instituição histórica norte-americana frequentada por afro-americanos.

Casada com um afro-americano, a ativista chegou a publicar nas redes sociais uma foto com um dos seus irmãos adotivos, apresentando-o como seu filho, e a mostrar numa entrevista a fotografia de um negro, dizendo que era o seu pai.

“A questão não sou eu. É a justiça”, escreveu Dolezal na sua carta de demissão. “É com total lealdade à causa da justiça racial e social e à NAACP que me afasto da presidência e passo o testemunho à minha vice-presidente”, referiu nessa missiva, divulgada no Facebook. Desde então não voltou a falar em público.