Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Erdogan pede aos partidos que formem governo rapidamente

  • 333

Recep Tayyip Erdogan, Presidente da Turquia

UMIT BEKTAS/REUTERS

Depois de umas eleições que se revelaram catastróficas para o partido do Presidente Tayyip Erdogan, o chefe de Estado pede a rápida formação de um governo para evitar a instabilidade política

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, pediu aos partidos políticos da Turquia que "deixem os egos de parte" e formem um governo o mais rapidamente possível.

Este foi o primeiro discurso do Presidente desde que o seu partido AKP perdeu a maioria no Parlamento de Ancara, nas eleições legislativas de 7 de junho.

É bastante provável que o AKP tente formar um governo de coligação, mas ainda nenhum partido se mostrou disposto a coligar-se com o partido no poder.

O partido pró-curdo, HDP, foi o grande vencedor das eleições turcas. Ao ultrapassar a barreira dos 10% conseguiu, por um lado, entrar no Parlamento pela primeira vez e, por outro, roubar a maioria absoluta ao AKP que este mantinha há mais de uma década.

Segundo a Reuters, o HDP mostrou-se aberto a todas as opções para entrar num governo de coligação, exceto com o partido do AKP. Caso não seja possível formar um governo coligado e na impossibilidade de governar em minoria, o AKP ficará em maus lençóis, e será muito provável um cenário de eleições antecipadas.

Erdogan quebrou o silêncio numa cerimónia de graduação de estudantes internacionais para dizer que todas as partes devem respeitar os resultados destas eleições "como a expressão da vontade do povo". Disse ainda estar disposto a fazer o que lhe compete para encontrar uma solução para o impasse político atual dentro dos limites da constituição.

O Presidente turco e o AKP falharam nos seus objetivos para esta eleição, em que tentavam alcançar os dois terços que garantiriam a maioria parlamentar, conseguindo apenas 41% dos votos. Com este falhanço caiu também por terra a intenção de Erdogan de alterar a Constituição turca, transformando o país numa república presidencial.