Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Angela Merkel diz ser possível encontrar solução para crise da dívida grega

  • 333

YVES HERMAN

Angela Merkel, que falava antes do início de uma cimeira entre a União Europeia e os países da América Latina e das Caraíbas, lembrou que "o objetivo é manter a Grécia na zona euro". A chanceler alemã está disposta a encontrar-se com Alex Tsipras e o presidente francês, François Hollande.

 A chanceler alemã, Angela Merkel, disse esta quarta-feira que é possível encontrar uma solução para a crise da dívida grega, considerando que "querer é poder".

"Mas cada dia conta", adiantou a chanceler, que falava antes do início de uma cimeira entre a União Europeia (UE) e os países da América Latina e das Caraíbas, lembrando que "o objetivo é manter a Grécia na zona euro".

Numa altura em que a Comissão Europeu endureceu o tom, insatisfeita com as últimas propostas do governo grego, Merkel indicou estar pronta a encontrar-se, "à margem da cimeira, com o primeiro-ministro grego (Alex Tsipras), juntamente com o presidente francês (François Hollande)".

Se o primeiro-ministro grego "quer discutir connosco, claro que o faremos", disse, ao mesmo tempo que lembrava que as negociações sobre a dívida grega "devem continuar com as três instituições", a UE, o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Central Europeu.

"A minha abordagem é sempre a de que querer é poder. Mas o trabalho deve ser feito com as três instituições e cada dia conta", disse ainda Merkel.

O presidente francês, por seu turno, apelou para que se avance depressa e se concluam rapidamente as negociações entre a Grécia e os seus credores.

"Só temos uma mensagem: é preciso avançar com rapidez, não deixar que se arraste, não sugerir soluções que seriam negativas para a Grécia e para a União Europeia e para a zona euro", disse Hollande ao chegar à cimeira UE-América Latina.

A Comissão Europeia manifestou-se insatisfeita com as propostas apresentadas na terça-feira pela Grécia no âmbito do plano de assistência financeira, argumentando que estas "não refletem" as discussões anteriores entre Atenas e Bruxelas.  

De um acordo sobre as reformas a realizar pela Grécia depende o desembolso de uma ajuda financeira vital para o país, 7,2 mil milhões de euros prometidos a Atenas e suspensos há meses.

A Grécia enfrenta problemas de liquidez e tem de pagar perto de 1,6 mil milhões de euros ao FMI a 30 de junho.