Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

A fuga dos criminosos que gozaram com a América: como tudo aconteceu

  • 333

FOTO Darren McGee/New York State Governor's Office/Getty

Foi um "plano elaborado" que terá demorado vários dias a ser preparado. Há suspeitas de que uma costureira possa ter ajudado Richard Matt e David Sweat a escapar da prisão de alta segurança em Dannenmora. Autoridades já estão a interrogar a funcionária

Não é todos os dias que alguém consegue fugir de uma prisão, muito menos de um estabelecimento de alta segurança. Mas isso aconteceu em Dannenmora, nos Estados Unidos (EUA), há dois dias. A fuga de Richard Matt e David Sweat está a obrigar as autoridades a continuarem à caça dos dois condenados por homicídio. Entretanto, a investigação prossegue com novos dados sobre o sucedido. 

Foi um "plano elaborado", tal como defendeu o governador do estado de Nova Iorque, Andrew Cuomo. A polícia já tentou reconstituir a fuga, estimando que o plano tenha demorado vários dias a ser preparado. Richard Matt, de 48 anos, e David Sweat, de 35, eram vizinhos de cela tendo sido fácil arquitetarem todo o plano em conjunto.

Com a ajuda de ferramentas elétricas, os dois conseguiram furar uma parede de uma das celas forrada de aço na parte de trás. Não se sabe quanto tempo demorou esse processo, mas dificilmente terá passado despercebido aos ouvidos de todos. Quando e como conseguiram esses utensílios é uma das questões por responder: as autoridades não sabem se foram ali deixados propositadamente por funcionários da prisão ou por pessoas externas que foram prestar serviços ao estabelecimento. 

Uma das principais suspeitas é uma costureira interna que conhecia "muito bem" os dois reclusos e que já está a ser ouvida pelas autoridades, revelou esta quarta-feira à CNN uma fonte envolvida na investigação. 

Depois de furarem a parede, Richard Matt e David Sweat deixaram várias roupas debaixo dos lençóis de forma a iludirem as autoridades de que estavam a dormir. Às 22h30 os guardas prisionais efetuaram uma ronda e não deram pela falta dos dois reclusos, só se apercebendo da fuga pelas 5h20.

Rua para onde escaparam não tinha vigilância
Para trás já teriam deixado o tal bilhete com um smile e a frase irónica: "Tenham um bom dia". Começaram a percorrer os tubos do sistema de aquecimento no andar térreo até furarem outra parede, que lhes deu acesso a outros tubos num nível superior até chegarem à tampa de um esgoto - que estava fechada com um cadeado - numa rua pública de Dannemora sem câmaras de vigilância. Estava assim encontrada a porta de saída para a liberdade.

Terá sido um percurso feito com muito suor pelas canalizações de aquecimento subterrâneos e com um significativo contraste térmico quando saíram pela tampa de esgoto, uma vez que a cidade de Dannenmora fica situada a cerca de 32 km da fronteira com o Canadá. A prisão até é vulgarmente chamada "Pequena Sibéria."

As autoridades estão a oferecer 100 mil dólares (cerca de 89 mil euros) para quem tiver informações que possam conduzir ao paradeiro dos dois criminosos, que continuam a monte.

Richard Matt cumpria uma pena de 25 anos por sequestro, tortura e assassínio de um  homem em 1997, enquanto David Sweat enfrentava prisão perpétua pelo assassinato de um xerife, em 2002.  

  • Troçaram com a América, fugiram e ninguém sabe como

    Foram condenados por homicídio e ninguém sabe deles - fugiram da prisão. Furaram as paredes da cela, cavaram um túnel, desapareceram e ainda ironizaram  - deixaram para trás um bilhete com um smile e a frase "tenham um bom dia"