Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Naufrágio China. Probabilidades de haver sobreviventes são "muito escassas"

  • 333

Equipas de resgate junto ao "Estrela Oriental" no rio Yangtze, em Jianli, província de Hubei

ALY SONG / REUTERS

Já foram encontrados 97 corpos, mas mais de 300 continuam desaparecidos. O "Estrela Oriental" já foi endireitado. De momento, a missão é drenar a água do navio

"Estrela Oriental", o navio que naufragou esta segunda-feira no rio chinês de Yangtze, já foi endireitado, mas, nos termos do porta-voz do Ministério chinês dos Transportes, Xu Chengguang, as probabilidades de serem encontrados sobreviventes são praticamente inexistentes. 

Até ao momento foram recuperados 97 corpos, contudo mais de 300 continuam desaparecidos. Com vida foram apenas resgatadas 14 pessoas - entre as quais o capitão e o chefe engenheiro do navio. Este será, de acordo com os meios de comunicação chineses, o maior desastre naval do país em 70 anos. 

Segundo o porta-voz do Ministério dos Transportes, a missão neste momento é recuperar os corpos que se encontram no interior do navio. 

Na noite de segunda-feira o "Estrela Oriental" foi atingido por um tornado que provocou o seu naufrágio em menos de um minuto. O tempo foi insuficiente para que os passageiros pudessem vestir os coletes salva-vidas. Os poucos sobreviventes contam que momentos após o navio começar a afundar, saltaram para a água e nadaram até à costa. 

Chengguang anunciou ainda que o navio foi endireitado com a ajuda de duas gruas de 500 toneladas mas que, antes de se prosseguir com a busca dos corpos no seu interior, será necessário drenar a água. 

Horas depois do naufrágio, mergulhadores procuravam sobreviventes no interior do "Estrela Oriental", mas só resgataram três pessoas, depois de terem ouvido gritos de pedidos de socorro. 

As autoridades não sabem ainda porque é que o capitão do navio - Zhang Shunwen de 52 anos de idade e 35 anos de experiência -, decidiu seguir com a viagem apesar do mau tempo, enquanto todas outras embarcações lançaram as âncoras. Shunwen, a par do engenheiro chefe do "Estrela Oriental", foi detido pelas autoridades chinesas para ser interrogado. 

Por enquanto, os cerca de 1200 membros de famílias das vítimas aguardam por mais informações em Jianli, cidade junto à qual o navio capotou (província de Hubei). 

A maioria dos passageiros tinha mais de 60 anos e encontravam-se numa viagem turística, alguns dos quais com os seus netos.