Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Vinte polícias assassinados em emboscada no Quénia

  • 333

O grupo al-Shabaab exige a retirada das tropas quenianas na Somália

FOTO REUTERS/Omar Faruk

Ataque ocorre poucos dias depois de o governo queniano ter ordenado o reforço da segurança após um grupo radical islâmico ter atacado uma aldeia.

Pelo menos duas dezenas de polícias quenianos morreram segunda-feira vítimas de uma emboscada na aldeia de Yumbis, situada a cerca de 70 km a norte de Garrissa. Terá sido mais um ataque do grupo radical islâmico al-Shabaab, segundo as autoridades.

Quatro veículos foram incendiados quando um grupo de polícias foi socorrer alguns colegas que seguiam noutra viatura que tinha atropelado uma mina terrestre, refere o "Guardian", que cita a imprensa local.

"A área fica nos arredores de Garissa, não muito longe da fronteira [com a Somália]. É por essa razão que estamos a ter dificuldades em obter mais informações. O que sabemos neste momento é que vários agentes foram mortos", disse o porta-voz da polícia, Masoud Mwinyi, sem adiantar mais pormenores sobre o incidente.

O Governo queniano também não teceu ainda qualquer comentário sobre o ataque, que ainda não foi reivindicado mas que tudo indica que terá sido levado a cabo pelo grupo radical al-Shabaab, com ligações à
 Al-Qaeda.

Reforço da segurança na região
O ataque ocorre poucos dias depois de Nairóbi ter ordenado o reforço da segurança na região, depois de o grupo al-Shabaab ter atacado a aldeia de Yumbis na semana passada e içado uma bandeira numa mesquita local.

Em abril, o grupo al-Shabaab levou a cabo um massacre na Universidade de Garissa, que causou 148 mortos, a maioria estudantes cristãos. De acordo com o Ministério queniano do Interior, um dos responsáveis pelo ataque foi identificado como Abdirahim Mohamed Abdullahi, filho de um governador oficial.

Na altura, o Presidente do Quénia, Uhuru Kenyatta, garantiu que o país irá "lutar até ao fim contra o terrorismo", apurando e punindo os seus responsáveis.  

O grupo terrorista - que exige a retirada dos soldados quenianos na Somália - tem perpetrado vários ataques no país e noutros territórios vizinhos, como o Quénia.