Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Os estragos de uma vitória "muito má"

  • 333

Frases que se ouvem em Espanha na ressaca da noite eleitoral que mexeu com o país. "É preciso mudar rostos, comportamentos e atitudes"; "olha-te ao espelho e responde a ti mesmo se tens todas as razões, motivos e legitimidade para ser candidato". São mensagens do PP para o próprio PP - a vitória apertada foi amarga.

JJ GUILLEN / EPA

A noite eleitoral de domingo causou estragos no Partido Popular (PP) espanhol. Está assim aberta uma crise interna com vozes críticas dentro do próprio partido, depois de ter registado uma vitória estreita com 27,3% dos votos, menos 700 mil do que em 2011.

Num tom meio satírico, o presidente de Castela e Leão, Juan Vicente Herrera, que obteve um dos melhores resultados eleitorais do PP, aconselhou o líder do partido e chefe do Governo espanhol a perceber se reúne todas as condições antes de avançar com uma recandidatura.  "Eu diria ao presidente do Governo: 'olha-te ao espelho e responde a ti mesmo se deves ser o próximo candidato e se tens todas as razões, motivos e legitimidade para sê-lo' ", afirmou Juan Vicente Herrera, em entrevista à rádio "Onda Cero".

Embora reconheça qualidades em Rajoy, classificando-o como um "homem de honra", Juan Vicente Herrera defende que é vital a renovação geracional no PP.  

Também a presidente da câmara de Madrid, Ana Botella, apelou à reflexão dos membros do partido de forma a responder à crise interna.  "O resultado foi muito mau e cabe por isso aos órgãos diretivos do partido uma análise em profundidade, que até agora, 48 horas após as eleições, ainda não se fez", declarou a autarca madrilena, citada pelo "El País". 

A presidente do governo de Aragão, Luisa Fernanda Rudi, considerou por seu turno que o resultado eleitoral do PP no domingo evidenciou a "rejeição" dos cidadãos pelo partido, causando danos à imagem do mesmo.

"É preciso mudar rostos, comportamentos e atitudes", afirmou igualmente o presidente de Valência, Alberto Fabra.

Fonte do PP espanhol ouvida pelo "El Mundo" disse porém que Mariano Rajoy recusa precipitar-se na resposta à crise interna, preferindo analisar com calma e em pormenor os resultados eleitorais antes de tomar qualquer decisão.

Entretanto, o líder do PSOE, Pedro Sánchez, iniciou esta terça-feira contactos com o presidente do Ciudadanos, Albert Rivera, e o secretário-geral do Podemos, Pablo Manuel Iglesias, em busca de acordos que permitam soluções governativas nas suas autonomias.

A comissão política do Ciudadanos reuniu esta terça-feira para discutir possíveis acordos com outros partidos, enquanto o líder do Podemos já garantiu que só aceitará pactos com quem estiver disposto a dar uma "volta de 180 graus" quanto às políticas de austeridade. Desde já, ambas as forças políticas reúnem consenso quanto a um ponto fulcral - o combate à corrupção na sequência do escândalo que envolveu o PP.