Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Desesperadamente à espera que as monções levem o calor

  • 333

RAMINDER PAL SINGH/EPA

Com temperaturas a chegarem em alguns pontos a 50 graus, as autoridades indianas aconselham as pessoas a permanecer dentro de casa. O calor já matou mais de 800 pessoas.

A vaga de calor é especialmente forte em Andra Pradexe e Telangana – onde nos últimos dias morreram cerca de 800 pessoas, face às temperaturas que em alguns locais chegam a aproximar-se dos 50 graus centígrados –, mas está também a o fustigar estados do norte da Índia e a capital.

Na primeira página do “Hindustan Times” desta terça-feira surge uma fotografia de uma passagem de peões de Nova Deli cujas faixas ficaram fortemente destorcidas por a estrada ter derretido.

As previsões são de que o mesmo nível de calor se mantenha nos próximos dois dias. O fim abrupto das chuvas, que antecedem a época dos monções, a não ocorrência de trovoadas, assim como os ventos vindos da província paquistanesa de Sindh para as planícies do centro e norte da Índia, foram fatores que contribuíram para a vaga de calor que está assolar parte do país.

Nas televisões estão a ser divulgadas mensagens indicando às pessoas que procurem manter-se dentro de casa nas horas de maior calor, para saírem à rua com a cabeça coberta ou recorrendo mesmo a guarda-chuvas para se protegerem e para beberem muitos líquidos, em especial água.

“Nós também solicitámos às organizações não governamentais e às organizações estatais para que mantenham as fontes de água potável abertas para que a água esteja acessível para todas as pessoas em todas as cidades”, afirmou Tulsi Rani, comissário especial para a gestão da intempérie em Andra Pradexe.

Há quem se refugie em lojas e centros comerciais
O fornecimento de energia elétrica está a registar inúmeras quebras devido ao aumento do consumo pelo recurso aos sistemas de ar condicionado. Muitos dos que não dispõem de ar condicionado em casa procuram refúgio em centros comerciais e em lojas nas horas de maior calor, mas mesmo durante a noite as temperaturas mantêm-se bastante altas.

Os hospitais permanecem em alerta para dar assistência especial. Entre as vítimas mortais registam-se inúmeros sem abrigo e pessoas com mais de 50 anos, muitas das quais a trabalhar expostas ao sol.

Na cidade oriental de Calcutá, as cooperativas de táxis têm apelado aos motoristas para ficarem fora das estradas durante o dia. 

"Não estamos a forçar ninguém", referiu à agência France Presse o secretário do sindicato de taxistas de Bengala Ocidental, Pramod Jha, "mas pedimos a todos os condutores e proprietários de táxis que se mantenham afastados das estradas na altura de maior calor".

A Índia costuma registar temperaturas altas nesta altura do ano, mas neste caso elas estão a situar-se cerca de 5 a 6 graus acima do habitual.

O aquecimento global tem estado a tornar mais frequentes as vagas de calor. O departamento meteorológico da Índia indicou que entre 1961 e 2000 aumentaram em cerca de um terço.

As monções devem chegar à costa do sul do país a 31 de maio, esperando-se que tragam alívio significativo das altas temperaturas.